25 de fevereiro de 2021

A política em nosso país toma rumos diferentes a cada eleição, mostrando o quanto é importante repensar as ações.

Nas eleições de 2020, por exemplo, a renovação na câmara de vereadores nas capitais foi em média de 58,3%. Isso mostra claramente a insatisfação popular e o distanciamento entre eleitor e o político.

Esse cenário nos leva a pensar quais são as causas desse distanciamento?
As campanhas eleitorais estão menos eficazes, ou é a falta de marketing político?

De fato, percebemos que não há mais uma motivação por parte do eleitor de manifestar seu direito democrático, votando com ânimo em seus representantes. E esse distanciamento foi construído justamente pela falta do que chamamos no varejo de “pós-venda”. Ganhar eleição passou a ser o único objetivo, por isso muitos parlamentares passaram a ser vistos somente em ano eleitoral, e tal atitude criou uma rejeição maior.

Vou abordar alguns pontos importantes para estabelecer uma conexão com eleitor.

1 – Comunicação: a comunicação não se resume a escrever releases e publicar em portais, blogs e jornais. É importante destacar que a comunicação necessária para valorizar o trabalho de um parlamentar não é apenas de cunho jornalístico, e sim político. Não se trata apenas de informar, mas saber o que deve ser levado ao conhecimento do público e de que forma, uma vez que cada canal de comunicação exige diferentes abordagens. Por exemplo, a comunicação realizada no Facebook é totalmente diferente da praticada no Instagram ou Twitter, ou quaisquer outras redes sociais.

2 – Relacionamento: para que um parlamentar mantenha a confiança do seu eleitorado ele precisa manter um relacionamento com seu público. Não adianta dizer nas campanhas eleitorais “eu farei um mandato participativo”, se o eleitor não consegue falar com o político em nenhum dos canais de comunicação. Um erro frequente cometido é o uso da robotização nas redes sociais, o público quer um atendimento humanizado, ser respondido e ter a oportunidade de manifestar suas questões recebendo o mínimo de atenção. Evidente que a vida do parlamentar impede que ele próprio responda suas mensagens, por isso sua equipe deve ser treinada para atender a essa demanda de SAC e ouvidoria com excelência. Também é importante ter uma agenda inteligente de forma que o parlamentar consiga cumprir compromissos que possibilitem estabelecer relacionamento com o eleitorado.

3 – Imagem: se conectar com alguém exige admiração, o eleitor jamais sustentará seu apoio a um parlamentar que não atende as expectativas quanto a sua imagem, ou posicionamento, em determinadas questões. Por isso, é importante, ter direcionamento do marketing para agir em cada situação de forma que evite um aumento da rejeição com o público.

4 – Conteúdo/Propostas: um parlamentar tem como principal ferramenta a seu favor a oportunidade de propor melhorias em forma de lei e projetos, mas muitos tomam para si apenas a função fiscalizadora, que de fato é muito mais fácil, uma vez que não precisa que pense soluções. O público espera um representante que tenha conteúdo, e entenda o que pode ser feito e de que forma para beneficiar a população nas suas diversas áreas. Para que tenha êxito nessa iniciativa o parlamentar precisa contar com uma equipe que lhe possibilite entender as necessidades da população para criar as soluções viáveis.