Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
16 de outubro de 2021
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE
image/svg+xml

Bruno Pacheco – Da Revista Cenarium

MANAUS – Nesta segunda-feira, 8, Dia Internacional da Mulher, a “Operação Resguardo” do Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP) feito pela Polícia Civil deflagrada em todos os Estados, incluindo Amazonas, ações de combate a crimes de violência contra mulher.

A ação cumpre mandados de busca e apreensão, medida que visa promover segurança às vítimas. Considerada a maior ação de combates a crimes de violência contra a mulher do Brasil, a operação teve início no dia 28 de janeiro deste ano para apurar denúncias de violência doméstica, segundo o órgão ministerial.

“Cumpriremos mandados de prisão, busca e apreensão e verificaremos denúncias anônimas de denúncia anônimas de violência à mulher, resguardando a vida da nossa vítima, para que não tenha aumento, como houve no ano passado, de um terço nos casos de violência doméstica e nos casos de feminicídio”, destacou a delegada Débora Mafra.

No Rio de Janeiro, dez pessoas foram presas nas primeiras horas da manhã. No Amazonas, a Delegacia Especializada em Crimes Contra a Mulher (DECCM), em Manaus, deve divulgar um balanço sobre as prisões.

Violência contra mulher

De acordo com dados da Secretaria de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM), foram registradas 25.132 notificações de violência doméstica contra mulher em 2020, seis mil casos a mais que em 2019, representando uma alta de 34%.

Veja também: Vítimas de violência doméstica sofrem abusos inimagináveis; confira relatos

Segundo a SSP-AM, abril do ano passado foi o mês que menor registrou ocorrências, com 756 notificações, enquanto que o mês de agosto teve a maior formalização de casos, com mais 2,6 mil registros. O número de feminicídios também aumentou em 2020.

Veja também: Número de feminicídio em 2020 cresce 55% em Manaus e quarentena pode ter contribuído para esse aumento

Segundo a SSP-AM, a alta foi de 55% no ano passado, comparado com 2019. O isolamento social por conta da pandemia do novo coronavírus é visto pelas autoridades como forte influenciador para o crescimento nos números.