Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
26 de janeiro de 2022
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE

Jennifer Silva – Da Revista Cenarium

MANAUS – O Acre será mais um dos Estados da federação a receber ajuda humanitária do Amazonas, após o governo iniciar a “Operação Gratidão”. A empresa White Martins, que fornece oxigênio para o Amazonas, irá enviar, por meio do governo do Estado, uma usina de oxigênio para dar suporte à saúde pública acreana.

O envio da usina faz parte da “Operação Gratidão” do Amazonas, que cede oxigênio e equipamentos para os Estados brasileiros com alta demanda no sistema de saúde devido à pandemia. Em janeiro, o Amazonas entrou em colapso com falta de oxigênio nos hospitais e recebeu diversas doações para regularizar os atendimentos.

Agora com o abastecimento normalizado, o Estado passou a ajudar outras regiões. Além do Acre, o Amazonas também está ajudando os Estados de Rondônia, que enviou pacientes para os leitos dos hospitais amazonenses, e Santa Catarina. O governo do Amazonas informou também que tem recebido demandas do Paraná, Goiânia, Bahia e Maranhão.

O envio foi articulado pelo governo do Amazonas junto à Secretaria de Saúde do Acre (Sesacre). Na sexta, 20, o Acre transferiu três pacientes do Instituto de Traumatologia e Ortopedia (Into-AC), principal hospital de campanha do Estado, para a UTI do Hospital Delphina Rinaldi Abdel Aziz, em Manaus (AM). A transferência foi feita em um avião da Força Aérea Brasileira (FAB). Uma equipe saúde do Amazonas veio até o Acre acompanhar a transferência desses pacientes.

Em conversa com a CENARIUM, Fabiana Carioca, coordenadora do projeto ‘SOS AM’, que tem ajudado diversas famílias durante a pandemia, e que inclusive, também já enviou ajuda para o Acre, a ajuda do governo do Estado mostra o espírito de solidariedade que precisa haver nesse momento tão delicado que o restante do País vive.

“Acredito que esse é o momento de todo mundo continuar se ajudando, Independente dos limites estaduais, seja enquanto membro da sociedade civil, seja enquanto representante de Estado. Com toda certeza todas as iniciativas com o intuito de ajudar ao próximo são necessárias e, extremamente bem-vindas, e esperamos que o sentimento de solidariedade continue crescendo no coração das pessoas e que essa troca se intensifique”, afirma Fabiana.

Acre em colapso

O Acre registrou, até a última sexta-feira, 16, mais de 64 mil casos de Covid-19 e mais de mil mortes pela doença. Na tentativa de reduzir o casos da doença no Estado, o governo iniciou, no último final de semana, a adoção de medidas mais restritivas com o fechamento das atividades consideradas não essenciais no Estado.

Em contaminação comunitária desde o dia 9 de abril, com uma taxa de incidência de 7.253,2 casos para cada 100 mil habitantes, o Acre apresenta um coeficiente de mortalidade (óbitos por 100 mil habitantes) de 131% e de letalidade de 1,8%.

Dos 106 leitos de UTI nos hospitais da rede SUS disponibilizados no Estado, 102 estão ocupados. Dessa forma, a taxa de ocupação total chegou a 96%. Os leitos de UTI estão concentrados na capital, com 85 vagas, e Cruzeiro do Sul, com 26.