Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
19 de abril de 2021

Dólar

Euro

Manaus
23oC  29oC
Acompanhe nossas redes sociais

Com informações do G1

MANAUS – O diretor de emergências da Organização Mundial de Saúde (OMS), Michael Ryan, alertou, nesta sexta-feira, 5, que o Brasil e outros países não podem relaxar no combate à pandemia. A fala foi proferida depois de líderes da entidade serem questionados sobre o aumento de internações entre jovens pela Covid-19 no país.

“Houve um aumento nacional no Brasil [em número de casos], e isso é de norte a sul. As medidas de saúde pública, sociais e comportamentais param todas essas cepas e variantes. Agora não é a hora de o Brasil ou qualquer outro país, aliás, relaxar”, disse Ryan.

Ryan continuou o alerta dizendo que a chegada de vacinas é um momento de “grande esperança”, mas que também pode fazer com que as pessoas percam o foco no combate à pandemia.

“Se eu acho que vou receber a vacina nas próximas semanas, talvez eu não seja mais cuidadoso. Talvez eu ache que já superei. Você não precisa que muitas pessoas comecem a pensar isso para dar uma chance ao vírus de se espalhar. Nós vimos isso na Europa até o Natal”, lembrou.

“Mudanças pequenas num grande número de pessoas podem levar a uma grande mudança na epidemiologia deste vírus. Acho que já aprendemos isso a esta altura”, disse.

Situação ‘preocupante’

Equipe do Hospital Nossa Senhora da Conceição, em Porto Alegre, transfere corpos de pacientes vítimas da Covid-19, no dia 3 de março (Foto: Diego Vara/Reuters)

O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, afirmou que a situação do país é “séria” e “muito preocupante”.

“A situação no Brasil é muito, muito preocupante. Quando vimos muitas tendências de queda, em muitos países, nas últimas seis semanas, a situação no Brasil ou tinha aumentado ou atingido um platô – mas, é claro, com uma tendência maior de aumento. Eu acho que o Brasil tem que levar isso muito, muito a sério”, afirmou Tedros.

“Sem fazer coisas para impactar a transmissão ou suprimir o vírus, não acho que vamos conseguir ter, no Brasil, a tendência de queda”, alertou o diretor-geral.

“Eu gostaria de sublinhar isso: a situação é muito séria, muito preocupante. As medidas de saúde pública que o Brasil deveria adotar deveriam ser agressivas – enquanto, ao mesmo tempo, distribui vacinas”, recomendou o diretor.

Michael Ryan também afirmou que a OMS está preocupada com a variante P.1 – identificada pela primeira vez em Manaus mas que já se espalhou para vários estados brasileiros e ao menos outros 24 países.

“Estamos muito preocupados com a P.1. Ela carrega muitas mutações específicas que dão vantagens ao vírus, principalmente na transmissão. Não há dúvidas de que uma proporção desses casos que estão ocorrendo agora são reinfecções, potencialmente devido à perda de imunidade, potencialmente devido ao fato de que novas variantes estão evadindo o potencial imunológico da imunidade natural – o que, por si só, significa que precisamos ser muito cuidadosos com vacinas, para ter certeza de que as vacinas funcionam contra essas cepas”, alertou.

O diretor lembrou da necessidade das medidas de prevenção.

“As coisas que te protegem da cepa original ainda protegem você e sua comunidade da cepa P.1. ou qualquer outra”, frisou Ryan. “Infelizmente ou felizmente, ainda está em nossas mãos. Nosso risco ainda está em nossas mãos”.

Tedros destacou, ainda, que a preocupação da entidade não é só com o Brasil.

“Os vizinhos do Brasil são quase a América Latina inteira. Muitos países. O que significa que, se o Brasil não for sério, vai continuar a afetar toda a vizinhança lá e além. Não é só sobre o Brasil. É sobre toda a América Latina e até além. A aplicação de medidas de saúde públicas sérias é muito, muito importante”, declarou.