‘Ainda são altos, porém, positivos’, diz delegada sobre números de crimes contra a mulher em 2021

Priscilla Peixoto – Da Revista Cenarium

MANAUS – “Eu espero que o Amazonas seja o primeiro Estado a erradicar a violência doméstica não somente porque nós temos a lei, mas, principalmente, porque nasceu a consciência tanto nos homens, quanto nas mulheres em lutar contra esse mal que leva ao feminicídio”, comenta a delegada Débora Mafra, titular da Delegacia Especializada em Crimes contra a Mulher (DECCM), sobre o balanço, que ela considera positivo, em relação aos trabalhos realizados em 2021 no combate aos crimes contra mulheres no Amazonas.

De acordo com os dados da Divisão de Recebimento, Análise e Distribuição de Inquéritos (Drad) divulgados pela Polícia Civil do Amazonas, 97% dos inquéritos policiais instaurados em 2021 foram remetidos ao Poder Judiciário, totalizando 5.779. Números que resultam da atuação das três unidades da Delegacia Especializada em Crimes Contra a Mulher, situadas em Manaus.

Ainda segundo informações publicadas pela PC- AM, conforme o Centro Integrado de Estatística de Segurança Pública (Ciesp), entre os crimes mais registrados contra a mulher, ao longo de 2021, estão o de ameaça, com 6.540 ocorrências, e injúria com 3.712.

“Números altos, mas positivos”

Na análise da delegada, embora os números ainda sejam altos, 2021 pode ser o que ela classifica como “um ano comemorável no combate à violência doméstica”. De acordo com Débora, a meta é continuar com o trabalho essencial de atendimento e amparo às mulheres vítimas de violência.

Dentre os trabalhos ressaltados por ela está a intitulada ‘Operação Resguardo’, realizada em março do ano passado, atendendo mais de 3 mil mulheres e resultando em mais de 100 prisões. Mafra também destaca a Operação Maria da Penha, deflagrada no mês de agosto. A operação somou 22 prisões por violência doméstica e promoveu o atendimento de mais 600 mulheres.

Delegacia Especializada em Crimes contra a Mulher (DECCM) (Acervo/ SSP)

“A mulher amazonense tem e vai ter sempre esse amparo de toda uma equipe que trabalha no combate à violência contra o público feminino, e esses números se devem ao trabalho de prevenção que fizemos em diversos cantos e à mídia que ajuda a divulgar para que a mulher não se cale. Não podemos esquecer da Ronda Maria da Penha, da Polícia Militar do Amazonas (PMAM), e o Serviço de Apoio Emergencial à Mulher (Sapem), da Secretaria de Estado de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania (Sejusc) que servem na parte psicológica e social. Todo um esforço em prol da defesa da mulher, da defesa da vida”, celebra Mafra.

Denuncie

A delegada titular da DECCM Centro-Sul explica que as denúncias podem ser realizadas pelo disque-denúncia 181, da Secretaria de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM). Também há a opção do número 190, caso a violência esteja acontecendo no momento do ato da denúncia.

As vítimas também podem procurar uma das unidades da Delegacia da Mulher espalhadas pela cidade, nos bairros Parque 10 de Novembro, zona Centro-Sul; Cidade de Deus, zona Norte; e Colônia Oliveira Machado, zona Sul de Manaus.

“Eu, como delegada da mulher, percebo que esses dados mostram que a mulher está cada vez mais empoderada, cada vez mais confiante, tanto na lei Maria da Penha, quanto nos agentes de segurança”, finaliza Mafra.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

VOLTAR PARA O TOPO