Alzheimer: com 10 milhões de novos casos, diagnóstico ainda é essencial para conter o avanço da doença

Da Revista Cenarium*

MANAUS –  De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), cerca de 50 milhões de pessoas sofrem de demência, síndrome que afeta memória e habilidades cognitivas e de comportamento. Em seu tipo mais comum, o problema é conhecido como Doença de Alzheimer, responsável por mais da metade dos casos da enfermidade no mundo.

Com o intuito de gerar conscientização sobre a doença, no dia 21 de setembro é celebrado o Dia Mundial da Doença de Alzheimer. Neste ano, mais do que a importância do diagnóstico precoce, vale reforçar o papel da continuidade do tratamento, mesmo diante da atual pandemia de Covid-19.

Assim como em outras doenças crônicas, a Doença de Alzheimer requer tratamento contínuo. Cuidadores e pacientes devem ser orientados a seguir os protocolos de segurança, como forma de evitar a contaminação por Coronavírus. Além disso, as consultas médicas periódicas e uso de medicamentos não devem ser interrompidos.

“O Sistema Único de Saúde (SUS) oferece acesso ao tratamento medicamentoso para a doença. Os pacientes podem dispor de consulta médica e de terapia medicamentosa, tendo acesso ao uso de adesivos transdérmicos, que agem inibindo a enzima responsável por degradar a acetilcolina (neurotransmissor essencial nos processos cognitivos, principalmente a memória), entre outros medicamentos”, afirma Rafaela Silva, médica psicogeriatra e gerente médica da Sandoz do Brasil.

Ainda segundo a OMS, a demência é uma das mais significativas crises globais de saúde da atualidade, com o surgimento de novos casos a cada três segundos e podendo triplicar, até 2050, atingindo 152 milhões de pessoas. Para contornar o problema, é preciso quebrar os estigmas que existem em torno da doença e iniciar o tratamento o quanto antes, para desacelerar o avanço dos sintomas.

Para contornar o problema, é preciso quebrar os estigmas que existem em torno da doença e iniciar o tratamento o quanto antes, para desacelerar o avanço dos sintomas. (Revista Cenarium/Ricardo Oliveira)

Caracterísicas da doença e diagnóstico

A Doença de Alzheimer é neurodegenerativa e progressiva, ou seja, causa deterioração gradual das células cerebrais, afetando a memória e funções cognitivas. Ao longo do tempo, alterações comportamentais e neuropsiquiátricas também caracterizam a doença. Ainda não há cura para a Doença de Alzheimer, mas o diagnóstico precoce e tratamento contínuo são fundamentais para melhor manejo dos sintomas e retardar seu avanço.

Dentre os principais sintomas estão: perda de memória recente; irritabilidade; repetição da mesma pergunta por várias vezes; falhas de linguagem; dificuldade em acompanhar raciocínios complexos; incapacidade de resolução de problemas; tendência ao isolamento; dificuldade de encontrar caminhos já conhecidos; perda de memória remota, entre outros.

A demência na doença de Alzheimer costuma evoluir, de forma lenta, em até quatros estágios. São eles:

Além de diagnóstico, tratamento correto e contínuo, neste momento de pandemia, o olhar atento da família é ainda mais importante. “Para aqueles que têm um parente que sofre com a doença, além do tratamento em si, é importante que mantenham o contato de forma remota, como por videochamadas, por exemplo, e que incentivem o paciente a realizar atividades que estimulam o cérebro, como jogar caça-palavras ou montar um quebra-cabeça. O humor também é afetado na Doença de Alzheimer, então, é importante demonstrar afeto, mesmo que a distância. Uma alimentação balanceada e prática de exercícios físicos também podem ajudar”, completa Rafaela Silva.

O diagnóstico da Demência de Alzheimer é feito por exclusão, isto é, após outras possíveis causas de demência serem descartadas, para isso são necessários exames neurológicos de imagem, exames laboratoriais e avaliação médica. Ao apresentar quaisquer sintomas, é necessário procurar auxílio profissional.

De acordo com a Constituição Federal, o Sistema Público de Saúde deve fornecer o acesso gratuito ao tratamento completo para a doença, envolvendo a medicação indicada. Para isso, o paciente deverá procurar orientação médica no processo de obtenção do medicamento. O Protocolo Clínico de Diretriz de Tratamento (PCDT) do Ministério da Saúde prevê que médicos especialistas no tratamento de demências possam prescrever o tratamento medicamentoso.

(*) Com informações da Sandoz

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

VOLTAR PARA O TOPO