Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
20 de novembro de 2021
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE
image/svg+xml

Com informações do Infoglobo

SÃO PAULO – O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, procurou justificar nesta terça-feira o seu voto no presidente Jair Bolsonaro no segundo turno das eleições de 2018. A declaração foi feita em resposta ao ex-prefeito de Manaus Arthur Virgílio durante o debate das prévias presidenciais do PSDB organizado pelos jornais GLOBO e Valor.

Virgílio foi duro com o governador do Rio Grande do Sul ao afirmar que ele não deveria ter se aliado com Bolsonaro e que deveria, então, “ter perdido como um verdadeiro tucano”.

Leite, por sua vez, rebateu o correligionário afirmando que não se aliou ao então presidenciável e que apenas declarou seu voto. Ainda assim, o candidato reconheceu que foi um erro.

“Não vendo a alma para ganhar a eleição a qualquer custo”, afirmou o governador. O gaúcho criticou o PT, que disputava a Presidência contra o ex-capitão do Exército.

“Eu fiz uma única declaração de voto e marquei as diferenças que tenho com Bolsonaro”, afirmou Leite, que frisou não concordar com a forma que o presidente trata algumas pessoas – O outro caminho era o PT, que tinha quebrado o País. 

Além de Leite, Doria também contou com o apoio do presidente Bolsonaro na eleição passada e criou o slogan “Bolsodoria”. Depois de eleito, porém, o paulista rompeu com o presidente e se tornou um dos seus principais opositores na política.

Em resposta a Leite, Virgílio afirmou que no segundo turno havia votado no ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad, candidato petista na disputa. Já no primeiro turno, disse que votou no ex-ministro Henrique Meirelles.