25 de fevereiro de 2021

Com informações da Folhapress

SÃO PAULO – A cantora Maraisa, 33, que faz dupla sertaneja com a irmã, Maiara, revelou pelas redes sociais que sofre de alopecia androgenética, que é uma calvície feminina no topo da cabeça. Segundo ela, foi esse o motivo de ela ter retirado os fios mais longos.

“Estou dando um descanso no aplique. Porque eu sofro de alopecia androgenética. Sou carequinha aqui em cima, está vendo? Então, a gente tem que começar o tratamento o quanto antes”, disse ela. Maraisa afirmou que a alopecia é genética e o momento agora é de intensificar os tratamentos capilares.

“Cada vez mais esse curtinho vai ficando mais curto, viu? Aguardem”, disse ela. A doença é mais comum em homens acima de 50 anos, mas também pode aparecer em mulheres mais jovens. De acordo com a Sociedade Brasileira de Dermatologia, apesar do termo “andro” se referir ao hormônio masculino, na maioria das vezes os níveis hormonais se mostram normais nos exames de sangue.

A doença se desenvolve desde a adolescência, quando o estímulo hormonal aparece e faz com que, em cada ciclo do cabelo, os fios venham progressivamente mais finos. Os cabelos ficam ralos e, progressivamente, o couro cabeludo mais aberto.

Em mulheres, a região central é mais acometida (Reprodução)

Em mulheres, a região central é mais acometida, pode haver associação com irregularidade menstrual, acne, obesidade e aumento de pelos no corpo. Mas, em geral, são sintomas discretos. Nos homens, as áreas mais abertas são a coroa e a região frontal (entradas).

O tratamento é baseado em estimulantes do crescimento dos fios e em bloqueadores hormonais. O objetivo é estacionar o processo e recuperar parte da perda.