Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
17 de maio de 2021

Dólar

Euro

Manaus
23oC  29oC
Acompanhe nossas redes sociais

Com informações do Site UOL

SÃO PAULO – Ana Carolina Apocalypse viralizou nas redes sociais no ano passado ao compartilhar a história da sua transição de gênero, aos 59 anos. Agora, aos 63, ela comemora uma nova conquista: o nome social. No Instagram, Ana Carolina, que atualmente possui mais de 81 mil seguidores, compartilhou uma foto com o seu novo documento e disse estar cada vez mais perto de seu sonho.

“A inclusão do nome social é um direito e eu realizei a minha. O nome social é o nome pelo qual as pessoas transgêneros e travestis preferem ser chamados, diferente do seu nome de registro em cartório que não reflete sua identidade de gênero”, diz Ana Carolina Apocalypse.

Em publicação, Ana Carolina também contou que o pedido da mudança já havia sido encaminhado há um tempo. Entretanto, por conta da pandemia, ela enfrentou atrasos para conseguir o novo registro.

“Já faz algum tempo que havia realizado a solicitação que deve ser feita aos órgãos públicos por meio de um requerimento de inclusão de nome social, mas por conta da pandemia estes serviços estão ficando com atendimento limitado e um maior prazo de entrega das solicitações. Mas finalmente recebi minha carteira de identidade com meu nome social. Estou mais que feliz é uma conquista ser reconhecida pelo âmbito administrativo pelo meu nome! Me traz a paz de não passar por determinados constrangimentos em momentos que precisava apresentar minha carteira de identidade”, relata.

Na mensagem, Ana Carolina ainda defende: “Acredito que a persistência nós trás onde almejamos e por mais que pareça impossível a cada dia estou mais perto do meu sonho! Juntos somos mais fortes!”

Em entrevista à Universa no ano passado, ela contou que a novela “A Força do Querer”, exibida em 2017, teve um papel importante na sua trajetória, já que ela criou uma identificação forte com o personagem Ivan, interpretado por Carol Duarte. “Eu me sentia exatamente como ele, mas, no meu caso, estava em um corpo masculino. Então pesquisei sobre a transição e procurei o SUS”, relatou na ocasião.

Para ela, a transição foi uma decisão fácil e a notícia foi bem recebida pela família. Em 2019, Ana Carolina ainda realizou uma cirurgia para colocação da prótese mamária, que, segundo ela, “foi a maior das realizações”. “Estava tão feliz e completa que nem senti dor na cicatrização”, contou.