Após mais de 14 horas de sequestro, ex-presidiário se entrega à polícia em Manaus

Karol Rocha – Da Revista Cenarium

MANAUS – Após mais de 14 horas mantendo a mulher e os filhos, de 7 e 8 anos, reféns, o ex-presidiário do Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), Isaac de Souza Martins, de 37 anos, se entregou aos policiais no final da manhã desta segunda-feira, 17.

Leia mais: Vídeo: ex-presidiário do Compaj mantém mulher e filhos reféns há mais de 10 horas em Manaus

Segundo o coronel Klinger, do Comando de Policiamento de Área Norte (CPA Norte), o desfecho da ação foi avaliada como positivo e tanto Isaac de Souza quanto a família estão bem. Ele foi deslocado para o 6º Distrito Integrado de Polícia (DIP). “O desfecho foi o melhor possível. Nós tivemos algumas dificuldades por conta das horas, mas foi para cumprir o nosso objetivo que era preservar a vida de todos os envolvido. Estão todos bem”, disse.

O homem manteve a família refém desde as 21h desse domingo. De acordo com as informações da 27° Companhia Interativa Comunitária (Cicom), que acompanharam a ocorrência, tudo começou após um desentendimento do casal. Os vizinhos chamaram a polícia após ouvirem gritos de socorro.

Até as 12h30 desta segunda-feira, os policiais militares fizeram a negociação para a saída dele, da mulher e das duas crianças, até obterem êxito. Isaac de Souza tem passagem pelo crime de homicídio e participou do massacre ocorrido no Compaj, em 2017. Na ocasião, 56 detentos morreram depois de uma rebelião que durou 17h.

Atuaram na ação a Polícia Militar do Amazonas, a Secretaria Executiva Adjunta de Operações (Seaop), Polícia Civil do Amazonas, viaturas das Operações Especiais COE, Serviço Móvel de Urgência (Samu) e Rondas Ostensivas Cândido Mariano (Rocam).

Negociações

Em coletiva de imprensa, a ser realizada na tarde desta segunda-feira, o secretário de Segurança Pública, Carlos Alberto Mansur, juntamente com policiais militares que realizaram as negociações, durante a madrugada e manhã de hoje, falam sobre as tratativas, que resultaram na prisão em flagrante do infrator.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

VOLTAR PARA O TOPO