Após ‘naturalizar’ violência doméstica em clipe, cantora gospel é criticada por internautas

Da Revista Cenarium*

MANAUS – A cantora gospel Cassiane, 47, virou alvo de críticas nas redes sociais, após o lançamento de seu novo clipe, “A Voz”, na última sexta-feira (17). O vídeo revoltou os internautas por mostrar a história de uma mulher que sofre violência doméstica e, apesar de deixar o companheiro, deixa um recado dizendo que o perdoa.

“Reconheça a voz de Deus. Deixa ela estremecer o seu coração. O timbre santo do Senhor há de te curar, pois Ele é a voz que restaura a vida. Oro por você. Perdoo você”, diz o bilhete deixado pela mulher, sem deixar claro se o homem foi denunciado à polícia apesar de aparecer agredindo a mulher no vídeo.

Os internautas protestaram nas redes sociais da cantora: “Totalmente estranho o seu clipe, não gostei. Isso no século 21 não é tolerado. Não curto não, não a música não tem nada a ver com o clipe”, afirmou um. “O cara esmurrou a mulher várias vezes. Aí se converteu, e sai impune?”, questionou outro seguidor.

“Para ficar melhor, só faltou a parte em que ele é preso e ela tem uma medida protetiva contra ele. A violência doméstica contra a mulher mata, não pode ser silenciada ou romantizada. Não seja cúmplice disso”, afirmou outra internauta no Instagram da cantora.

No YouTube, o vídeo tinha na manhã deste domingo mais de 41 mil avaliações negativas, contra apenas 10 mil positivas.

Outras Polêmicas

Mas essa não é a única polêmica envolvendo Cassiane. Na noite deste sábado, 18, ela participou de uma live com Aline Barros, onde acabou descumprindo as normas de segurança sugeridas contra o novo coronavírus, distribuindo abraços e apertos de mão. “Gente, o ‘coronga’ não pega em nós, não, aleluia”, disse ela, segundo a colunista Fábia Oliveira, do jornal O Dia.

A cantora gospel Cassiane, 47, virou alvo de críticas nas redes sociais, após o lançamento de seu novo clipe, “A Voz”.

Como Denunciar Violência doméstica

A Central de Atendimento à Mulher em Situação de Violência – Ligue 180 – é um serviço de utilidade pública gratuito e confidencial (preserva o anonimato), oferecido pela Secretaria Nacional de Políticas, desde 2005.

Ligue 180 tem por objetivo receber denúncias de violência, reclamações sobre os serviços da rede de atendimento à mulher e de orientar as mulheres sobre seus direitos e sobre a legislação vigente, encaminhando-as para outros serviços quando necessário. 

A Central funciona 24 horas, todos os dias da semana, inclusive finais de semana e feriados, e pode ser acionada de qualquer lugar do Brasil e de mais 16 países (Argentina, Bélgica, Espanha, EUA (São Francisco), França, Guiana Francesa, Holanda, Inglaterra, Itália, Luxemburgo, Noruega, Paraguai, Portugal, Suíça, Uruguai e Venezuela). Desde março de 2014, o Ligue 180 atua como disque-denúncia, com capacidade de envio de denúncias para a Segurança Pública com cópia para o Ministério Público de cada estado. Para isso,  conta com o apoio financeiro do Programa ‘Mulher, Viver sem Violência’.

Ele é a porta principal de acesso aos serviços que integram a Rede nacional de enfrentamento à violência contra a mulher, sob amparo da Lei Maria da Penha, e base de dados privilegiada para a formulação das políticas do governo federal nessa área. 

(*) Com informações da Folhapress

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

VOLTAR PARA O TOPO