Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
29 de janeiro de 2022
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE

Com informações da Uol

MANAUS – O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) teve sua conta do Facebook suspensa temporariamente por ter publicado frases supostamente ditas por Adolf Hitler. Bolsonaro recorre na Justiça do Distrito Federal, segundo informações da coluna “Ancelmo Gois”, do jornal “O Globo”. Procurado por Tilt, o Facebook ainda não se manifestou.

Desde 14 de julho, a página de Eduardo Bolsonaro está impedida de postar e comentar posts dos outros. Este “gancho” do Facebook, imposto à página do deputado, tem duração de 30 dias. Ainda segundo a coluna, Eduardo Bolsonaro argumenta que não teve direito à defesa, e solicita que uma liminar na Justiça para remover as restrições de seu perfil no Facebook.

Esta não é a primeira vez que Eduardo Bolsonaro fica com acesso restrito à sua página no Facebook. Em junho, ele ficou 7 dias sem poder usar sua página após publicar um vídeo de seu pai dizendo que metade das mortes ocorridas por Covid-19 no Brasil não ocorreram por causa da doença — esta informação foi desmentida pelo próprio pai do deputado, o presidente Jair Bolsonaro.

Casos de família

A família Bolsonaro tem histórico de suspensões ou notificações de postagem de conteúdo falso em redes sociais. Em abril deste ano, por exemplo, Facebook e Instagram marcaram uma postagem do presidente Jair Bolsonaro como falsa.

Tratava-se de um vídeo em que um homem dizia que que os títulos em português do jornal “El País” sobre a participação do presidente no Fórum Econômico Mundial, em 2019, não correspondiam com os feitos em espanhol. Segundo apuração da Agência Lupa, havia uma má tradução de palavras do espanhol para o português, e que o vídeo enganava a audiência.

Em pelo menos duas ocasiões, o Twitter marcou postagens de membros da família como falsas durante o período de pandemia. Uma feita em janeiro na conta do presidente Bolsonaro por por defender tratamento precoce, algo que já foi comprovado como ineficiente, e em outra feita por Eduardo Bolsonaro criticando o lockdown.