24 de novembro de 2020

Dólar

Euro

Manaus
23oC  29oC

Com informações de agências

BELÉM – “Foi uma grande vitória, graças a Deus, trouxe o maior título do mundo para o nosso Pará, e provei para eles que treinando aqui em Belém, sem sair para outras academias grandes, eu pude trazer isso, representando meu pessoal de Soure, Salvaterra”, comentou Deiveson Figueiredo, vencedor do Ultimate Fighting Championship (UFC) neste domingo, 22, após derrotar o norte-americano Joseph Benavidez, em Abu-Dhabi, nos Emirados Árabes.

Ao voltar para casa, o lutador reservou na agenda de compromissos, uma promessa feita antes da vitória: visitar o túmulo do avô, inspiração do atleta e responsável por ensinar a luta marajoara. O patriarca da família,  João Leal de Deus, 79, morreu em maio deste ano e também ensinou o ofício de trabalhar com búfalos, um dos primeiros empregos de Deiveson em Soure, interior do Pará. 

“Com certeza vou visitar a sepultura do meu avô e levar o cinturão, é um presentão que estou levando para ele. Também vou fazer uma moldura bem legal do cinturão para colocar entre as fotos dos meus dois avôs”, disse o paraense, em entrevista ao site oficial do UFC.

Medalha Grão-Pará

O paraense, agora dono do cinturão peso-mosca, teve a sua trajetória reconhecida quarta, 22, com a medalha Grão-Pará, a mais alta condecoração dada aos atletas da terra. A comenda foi entregue pelo governador Helder Barbalho.

“Há muito tempo o Brasil estava aguardando novamente este destaque, e é um marajoara, alguém que com a sua história e superando todas as dificuldades demonstrou ser possível, a partir de suas escolhas. Exemplos como este devem ser seguidos pelas nossas crianças, pelos nossos jovens. Persistir em seus sonhos e transformá-los em realidade”, declarou Helder Barbalho.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.