Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
28 de janeiro de 2022
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE

Com informações do Estadão Conteúdo

BUENOS AIRES – Em meio a expectativas e incertezas, a Argentina inicia nesta terça-feira, 29, a vacinação com a Sputnik V, a vacina russa contra o novo coronavírus. No primeiro momento, apenas funcionários da saúde receberão as primeiras 300 mil doses que chegaram ao país.

Com isso, a Argentina é o quarto da América Latina a começar imunização, dias depois de Chile, México e Costa Rica – enquanto isso, o Brasil segue sem data prevista para começar. 

Conforme havia anunciado o presidente Alberto Fernández, a vacinação teve início às 9h. A campanha foi articulada para que haja vacinação em vários pontos do país. A província de Buenos Aires ficou com 123 mil doses (41%), seguida por Córdoba (21.900), Tucumán (11.500) e Mendoza (11 mil). Outras regiões receberam menos doses de acordo com a proporção de suas populações e de profissionais de saúde. 

A imprensa local relatou que a primeira argentina a receber a dose foi a enfermeira Juliana Torquati, funcionária do Hospital San Martín, em La Plata, na província de Buenos Aires. “É (um dia) emblemático porque podemos começar a vacinar as pessoas e dar imunidade àqueles que correm mais risco, que são as pessoas da saúde”, disse Alberto Fernández. 

O governador de Buenos Aires, Axel Kicillof, foi um dos primeiros políticos a se vacinar. “Hoje é o começo do fim da pandemia na Argentina”, escreveu ele no Twitter, junto com uma foto sua recebendo uma dose do imunizante russo.

Nesta primeira fase, a vacinação será destinada aos trabalhadores da saúde nos grandes centros urbanos, onde a pandemia teve um impacto maior e onde o risco de uma segunda onda de infecções é mais elevado. Também serão vacinados profissionais da saúde em unidades de terapia intensiva (UTI) e funcionários de laboratórios de diagnósticos.

O plano de vacinação estima um total de 54,4 milhões de doses, considerando um esquema de duas doses e calculando uma taxa de perdas estimada em 15%, que atingiria entre 23 e 24 milhões de pessoas de uma população de 45 milhões. O acordo assinado com os russos prevê o fornecimento de 25 milhões de doses.

O contrato de aquisição da Sputnik V é o terceiro assinado pela Argentina: o primeiro foi com a AstraZeneca e a Universidade de Oxford – vacina que será aplicada a partir de março, e o segundo com a aliança internacional Covax, da Organização Mundial da Saúde (OMS).

O jornal Clarín escreveu que há dúvidas entre médicos, cientistas e enfermeiros sobre a vacina russa. “Em grande medida porque ainda não foram publicados detalhes da vacina em uma revista científica, o que está previsto para início de janeiro. Referências de diferentes associações e grupos de saúde concordam que falta informação mas afirmam que, apesar disso, vão tomar a vacina”. 

A Argentina teve 1.590.513 contaminações por covid-19 e registrou 24.868 mortes.