4 de março de 2021

Com informações do G1

MANAUS – Artistas plásticos estão se reinventando com o uso da tecnologia para trabalhar e para vender seus trabalhos. Maurício Nocêra é um dos que inovou no processo de criação e mudou a forma como as pessoas interagem com seus quadros.

Maurício também é conhecido como Lito e é envolvido com o mundo da arte desde criança, inspirado pela mãe, que também era pintora e tocava piano. Formado em publicidade, percebeu que o hobby poderia virar um negócio.

“Uma vez, fui comprar uns quadros para o meu apartamento e perguntei pra dona da loja se ela fazia parcerias com artistas, porque eu já tinha alguns desenhos guardados. Ela falou que sim, eu mandei pra ela alguns, e ela comprou todas as minhas artes”, conta Lito.

Em 2013, Lito passou a vender suas obras em galerias de artes e lojas físicas, mas queria ir além: “Eu queria uma arte com o meu nome, que quando uma pessoa fosse a algum lugar e olhasse um quadro, ela falasse: ‘esse quadro é do Lito’”.

O primeiro passo foi se digitalizar com o lançamento de uma loja virtual própria e a venda direta para o consumidor final. Depois, foi preciso usar a tecnologia nas obras.

Em uma das ações, ele usa a realidade aumentada. Basta apontar o celular para a arte e, com a interação, o quadro ganha uma profundidade. Se for apontado mais para o lado, por exemplo, aparece as camadas de tinta.

O segredo está no uso de uma ferramenta disponível no Instagram, que permite inserir efeitos digitais nas artes. O preço dos quadros varia de R$ 250 a R$ 740. As artes personalizadas custam a partir de R$ 1.440.

O artista vende, em média, 20 prints por mês e faz tudo sozinho. Além dos quadros, vende camisetas, bonés e murais por encomenda. O faturamento mensal é de cerca de R$ 15 mil.

Eu Sou Lito

Telefone – (11) 96928-tt2244
www.eusoulito.com.br
E-mail: [email protected]
Redes sociais: www.instagram.com/eusoulito
www.facebook.com/eusoulito/