Atiradora esportiva, nova diretora de educação ambiental de Bolsonaro não possui experiência na área

Da Revista Cenarium

MANAUS — A atiradora esportiva Cristiane Lemos Batista de Freitas, nomeada para ser diretora de Educação e Cidadania Ambiental do Ministério do Meio Ambiente, nunca teve experiência em áreas ligadas à vaga que irá ocupar, conforme o currículo da advogada publicado no site Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, onde anteriormente ela ocupava a função de assessora. A nomeação foi assinada pelo ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira

Nomeação de Cristiane Lemos, publicada no Diário Oficial da União.

No currículo, Cristiane se descreve como uma “profissional com carreira desenvolvida em empresas de diversos segmentos de atuação e portes diferenciados”, tendo ocupado cargos executivos de gestão e assessoria e atuado como consultora e de projetos de desenvolvimento organizacional.

Ela atuou como assessora de Osmar Terra no Ministério da Cidadania, em 2019. No ano seguinte, foi designada para o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, sob o comando de Damares Alves.

As experiências são voltadas ao assessoramento jurídico. Lemos também trabalhou como assistente na empresa pública Valec, foi estagiária no Tribunal Regional Eleitoral do Distrito Federal e no Tribunal Regional Federal da 1ª Região, também em Brasília. Nada ligado ao meio ambiente.

Manifesto

Após sua nomeação, assinada pelo chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira, mais de 60 entidades, organizações e lideranças ligadas à educação ambiental no Brasil publicaram um manifesto contra o ato.

“Compreendemos a nomeação como um escárnio, como um desrespeito aos profissionais do campo ambiental comprometidos com a educação ambiental. Esta nomeação é um ato de violência simbólica, operando como uma manifestação de cruzada cultural antiecológica. O resultado é a perplexidade dos coletivos educadores do País, já que é um cargo de suma importância à gestão da educação ambiental brasileira”, diz um trecho do texto.

Pró-armamento

Em 2021, a nova diretora do Ministério do Meio Ambiente participou de uma audiência pública na Câmara dos Deputados, em defesa do uso de armas pela população brasileira.

Audiência foi realizada pela Comissão dos Direitos da Mulher, em dezembro de 2021 (Reprodução/Câmara dos Deputados)

“Nós precisamos tirar essa cultura de que armas matam as pessoas. Quem mata as pessoas é quem está por trás do agente, seja mulher ou homem. Quando falamos que a mulher não vai tirar uma arma para matar o marido, o cônjuge ou quem for, é muito difícil irmos por essa tangente, porque quando se tem a vida em risco, uma peixeira pode servir muito mais do que uma arma de fogo, e temos acesso a isso em casa. Não precisamos pedir permissão para ter uma faca, e a faca é muito mais letal”, defendeu Cristiane.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

VOLTAR PARA O TOPO