Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
30 de novembro de 2021
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE
image/svg+xml

Thiago Fernando – Da Revista Cenarium

MANAUS – Após o presidente Jair Bolsonaro (Sem partido) apresentar sintomas de Covid-19, a tag ‘Força Covid’ rapidamente assumiu o topo dos trending topics do Brasil, no Twitter, nesta segunda-feira, 6. Segundo informações da Rede Bandeirantes e do portal UOL, o exame realizado no fim desta tarde teria dado positivo para o novo Coronavírus.

A emissora divulgou que a informação é do jornalista Claudio Humberto ao programa ‘Repórter Bandeirantes’ (Reprodução/Twitter)

O presidente anunciou que foi ao Hospital das Forças Armadas (HFA), em Brasília (DF), para realizar exames de pulmão. Além disso, Bolsonaro fez mais um exame do novo Coronavírus. Oficialmente, o resultado deve sair nesta terça-feira, 7.

Uma das imagens mais utilizadas foi a cena retirada da novela Fina Estampa, apresentada pela Globo (Divulgação)

Segundo informações da assessoria do Palácio do Planalto, o presidente está tomando hidroxicloroquina e tem febre de 38ºC. Fora isso, todos os compromissos presidenciais da semana estão previamente cancelados.

Na volta ao Palácio do Planalto, Bolsonaro evitou o contato com alguns apoiadores que estavam presente. “Estou evitando [contato]. Vim do hospital agora fiz uma chapa [raio-x] no pulmão. Ele está limpo. Fui fazer o exame do Covid agora há pouco, mas tá tudo bem”, disse.

Após o vazamento da suposta doença, o assunto ganhou força nas redes sociais. Muitos opositores do presidente começaram a postar ‘Força Covid’ de maneira sarcástica, fazendo alusão ao comportamento de Bolsonaro durante à pandemia no Brasil.

Alguns opositores utilizaram o Twitter para comemorar a possível doença do presidente (divulgação/Internet)

Por outro lado, alguns apoiadores deixaram mensagens de força ao chefe de estado e criticaram a ‘torcida’ da oposição para que o estado de saúde do presidente piore.

Apoiador de Bolsonaro, Roberto Jefferson questionou se o Twitter não bloquearia a hashtag utilizada por opositores do presidente (Divulgação/Internet)