Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
17 de novembro de 2021
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE
image/svg+xml

Bruno Pacheco – Da Redação Cenarium com informações da Agência Brasil

MANAUS- O senador Eduardo Braga (MDB) votou contra a convocação do governador do Pará e seu conterrâneo, Helder Barbalho, também do MDB, para prestar esclarecimento na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia. O requerimento de convocação de Barbalho e de outros oito governadores e de um ex-governador foi aprovado nesta quarta-feira, 26, em Brasília.

Apesar de votar contra a convocação do governador do Pará, Braga deu voto favorável à convocação do governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC). O senador é um provável candidato ao Governo do Amazonas em 2022 e tem utilizado a CPI para “vender” sua imagem como defensor das medidas de distanciamento social de combate à pandemia, postura diferente da adotada em dezembro do ano passado, quando defendeu a abertura do comércio dias antes da crise de oxigênio no Estado.

Veja mais: Braga Defendeu abertura do comércio, em Manaus, dias antes da falta de oxigênio no AM

O requerimento de convocação de Barbalho e de outros oito governadores e de um ex-governador foi aprovado nesta quarta-feira, 26 (Reprodução/Twitter)

Também foram convocados Ibaneis Rocha (DF), Mauro Carlesse (TO), Carlos Moisés (SC); Antônio Garcia (RR), Coronel Marcos Rocha (RO) e Waldez Góes (AP) e Wellington Dias (PI), além do ex-governador do Rio de Janeiro Wilson Witzel e a vice-governadora de Santa Catarina, Daniela Reinehr. 

CPI da Pandemia

A CPI da Pandemia aprovou nesta quarta-feira, 26, a convocação de nove governadores e do ex-governador do Rio de Janeiro Wilson Witzel para depor sobre suspeitas de desvio de recursos destinados ao combate ao coronavírus em Estados e capitais. Os senadores também aprovaram a reconvocação do ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello e do atual chefe da pasta, Marcelo Queiroga, entre outros nomes. Os depoimentos ainda serão agendados.

Foram chamados apenas chefes de Executivos estaduais citados em investigações da Polícia Federal. Antes da votação, senadores se reuniram de forma secreta por mais de 1 hora e 30 minutos em uma outra sala em busca de acordo em torno dos nomes que seriam convocados, mas a aprovação veio depois de intensos debates no colegiado e em meio a pedidos de convocações de outros governadores. Eduardo Girão (Podemos-CE) sugeriu a convocação do governador da Bahia, Rui Costa, mas o pedido foi indeferido pelo presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM). Mesmo após acordo para não convocar prefeitos de capitais, Girão insistiu em chamar os chefes dos executivos municipais, o que Aziz classificou como “oportunista”.