Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
30 de novembro de 2021
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE
image/svg+xml

Com informações do site UOL

SÃO PAULO – Nascida em Portugal, filha de pais analfabetos e criada no Brasil desde os 7 anos, Maria Fernanda Teixeira começou a trabalhar aos 15 e casou-se aos 17, quando foi demitida – o banco em que ela trabalhava não incentivava mulheres a se casar ou ter filhos.

Mas ela guarda com carinho a experiência, por dois motivos. O primeiro é que esse emprego a colocou em contato com a tecnologia. O outro é que as “dificuldades, preconceito e machismo logo cedo fizeram surgir meu propósito de vida: lutar por equidade de gênero e fazer com que o trajeto das mulheres ao topo de grandes organizações seja justo e sem as grandes dificuldades pelas quais eu passei”.

Maria Fernanda conta essa história no e-book “Como?”, lançado pelo Grupo Mulheres do Brasil, organização criada em 2013 por 40 executivas para engajar a sociedade brasileira na conquista de melhorias para a situação das mulheres. Tem como presidente a empresária Luiza Helena Trajano e conta com mais de 75 mil participantes.

Maria Fernanda, que hoje é conselheira de várias empresas e foi CEO de multinacionais, ocupa voluntariamente, como todas, o cargo de líder do Comitê 80 em 8, de quem partiu a iniciativa do e-book. Para Universa, Maria Fernanda defende uma lei de cotas para que mulheres ocupem mais espaços nos postos de liderança e explica porque isso pode ser positivo para a economia brasileira, para os consumidores e para as próprias empresas. Veja a matéria completa no site da UOL.