Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
25 de janeiro de 2022
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE

Gabriel Abreu – Da Revista Cenarium

MANAUS — Um mês após ser alvo de hacker, o aplicativo ‘Conecte SUS’ continua apresentando instabilidade para emitir o Certificado Nacional de Vacinação da Covid-19. Brasileiros com viagens marcadas para outros Estados ou países que exigem o documento estão preocupados com a demora na emissão. Nesta segunda-feira, 10, a CENARIUM conversou com pessoas que estão enfrentando esse problema.

É o caso da advogada Fernanda Mourão, que está com uma viagem marcada para essa sexta-feira, 14, para Fernando de Noronha, em Pernambuco. As autoridades sanitárias locais exigem que os turistas que têm como destino o Arquipélago estejam com as doses da vacina em dia.

“Tomei minha segunda dose no dia 13 de dezembro, ou seja, já vai fazer um mês. E o prazo estabelecido pelo programa ‘Conecte SUS’ é de no máximo dez dias após a vacinação. Não consigo emitir o certificado de vacina nacional contra a Covid-19 e nem visualizar minhas duas doses na tela do ‘SI-PNI’, que é nacional também, sendo assim, não me deixarão entrar no local de destino, pois exigem essa validação digital por QR–Code”, detalhou a advogada.  

A advogada entrou em contato com o Ministério da Saúde, mas foi informada de que deveria entrar em contato com a Secretaria Municipal de Saúde de Manaus (Semsa), onde tomou a segunda dose. No sistema do ‘Imuniza Manaus’ aparece as duas doses da advogada, mas no ‘Conecte SUS’ aparece apenas uma dose, o que impossibilita Fernanda de viajar.

“A Vigilância Sanitária de Fernando de Noronha já me informou que não conseguirei entrar sem a validação no certificado nacional de vacinação contra a Covid-19 emitido diretamente no aplicativo ‘Conecte SUS’, o que me preocupa bastante”, salientou Fernanda.

O ‘Conecte SUS’ é o aplicativo responsável pela emissão do Certificado Nacional de Vacinação Covid-19, exigido para acessar locais públicos. Até o momento, o comprovante é exigido em 19 capitais do Brasil.

Decisão

Para conseguir viajar para Fernando de Noronha, a advogada entrou com uma liminar na Justiça Federal do Amazonas que na tarde desta segunda-feira, 10, deferiu o pedido. O juiz Diego Oliveira da 9ª Vara Federal Cível determinou que “o Ministério da Saúde insira as informações na plataforma Conect SUS acerca da segunda dose do imunizante Janssen, recebida pela impetrante no dia 13 de dezembro de 2021, de modo que seja possível a emissão do certificado nacional de vacinação contra a Covid-19, até o dia 13/01/2022”, determinou o magistrado.

Ataque

O site do Ministério da Saúde saiu do ar na madrugada do dia 10 de dezembro após um ataque hacker. Ao tentar acessar a plataforma, usuários encontraram um recado afirmando que os dados do sistema haviam sido copiados e excluídos e estavam nas mãos do grupo invasor. “Nos contate caso queiram o retorno dos dados”, diz a mensagem.

Minutos depois, o recado desapareceu, mas o site continuou fora do ar. A plataforma ‘Conecte SUS’, que fornece o certificado nacional de vacinação, também saiu do ar. O Ministério da Saúde não comentou o problema.

Posicionamento

O Ministério da Saúde informou que a integração entre os sistemas locais e a rede nacional de dados foi restabelecida na última sexta-feira, 7. Desde então, as informações inseridas pelos Estados e municípios nos sistemas estão retornando gradualmente às plataformas nacionais, possibilitando que os dados de saúde possam ser acessados por todos os usuários.

A pasta esclareceu também que, ao contrário do que alguns veículos de imprensa vêm repercutindo erroneamente, a instabilidade nos sistemas da pasta não interferiu na vigilância epidemiológica de síndromes agudas respiratórias, incluindo a Covid-19. A pasta continua realizando o monitoramento no Brasil para tomada de decisões frente ao atual cenário.

Veja a decisão na íntegra: