Cantora amazonense Márcia Novo faz live solidária com os Bumbás Caprichoso e Garantido em prol de indígenas

Luciana Bezerra – Da Revista Cenarium*

Manaus – A cantora Márcia Novo faz no próximo domingo, 21, uma live solidária em prol da campanha “Vidas Indígenas Importam”. A apresentação, que contará com presença dos bois Garantido e Caprichoso, será transmitida nas redes sociais dos Bumbás, às 16h (horário de Manaus).

Entre os artistas locais convidados estão, Canto da Mata, Klinger Araújo, Vanessa Alfaia, João Paulo Faria – pai Francisco do Garantido.

Outra participação especial será da enfermeira indígena Wanda Ortega, que tornou-se uma das representantes da causa atuando na linha de frente em meio à pandemia. A meta inicial de arrecadação é de R$ 30  mil.

A iniciativa faz parte de uma parceria entre a cantora Márcia Novo e a Fundação Amazonas Sustentável (FAS) e tem como objetivo arrecadar doações para a comunidade indígena de Manaus e de aldeias do interior do Estado.

 “A gente começou com um projeto basicamente para os índios urbanos e alguns aldeados que moram próximo a Manaus, agora existe um desafio maior que é o interior do estado. Nos unimos a FAS que já estava fazendo um trabalho nas comunidades do interior e nós aqui na capital, então vamos unir forças em prol dessa causa”, explicou.

’Réquiem’ uma prece pelos indígenas

Paralelo a live, Márcia Novo lança no próximo sábado, 20, o videoclipe ‘Réquiem’ – que é uma releitura da toada antológica do boi Caprichoso. A música estará disponível em todas as plataformas digitais de stream como spotify e youtube premium.

performance da cantora em videoclipe gravado no centenário Teatro Amazonas, em Manaus. (Divulgação/Márcia Novo)

O cenário do videoclipe é o majestoso Teatro Amazonas e o enrredo, conta a história de um funeral indígena. A música seria lançada juntamente com o EP do Eletroboi, que foi adiado em decorrência da pandemia do novo Coronavírus. 

Segundo a cantora, a ideia do projeto partiu no momento em ela entregava máscaras na comunidade Parque das Tribos.

“Eu estava indo deixar as máscaras no Parque das Tribos, liguei pra Wanda dizendo que estava atrasada e precisava ir em outra comunidade também fazer as entregas. Ela falou muito baixo dizendo que estava no funeral do cacique.  Eu cheguei a ver o caixão dele saindo de lá carregado  pelas pessoas aquela imagem me marcou porque eu tava toda apressada e todo mundo parou ali pra mim!”, relembra.

(*) Com informações da assessoria

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

VOLTAR PARA O TOPO