Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
17 de maio de 2021

Dólar

Euro

Manaus
23oC  29oC
Acompanhe nossas redes sociais

Bruno Pacheco Da Revista Cenarium e com informações do The New York Times

MANAUS – O ex-prefeito de Nova Iorque, Rudolph Giuliani, teve a casa e o escritório como alvo de busca e apreensão nesta quarta-feira, 28, durante uma operação do FBI (polícia federal americana) em Manhattan, nos Estados Unidos. Giuliani é advogado pessoal do ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e já prestou consultoria para a segurança pública do Amazonas, durante a gestão do ex-governador do Estado Amazonino Mendes, em 2018.

A consultoria, no valor de R$ 5.648.987,50, foi alvo de inquérito do Ministério Público do Estado do Amazonas (MP-AM) para apurar irregularidades na dispensa de licitação na contratação da empresa Giuliani Security & Safety.

A informação foi divulgada pelo jornal The New York Times. Segundo o tabloide, promotores federais investigam as negociações de Giuliani com autoridades e oligarcas da Ucrânia, em um caso que está conectado ao processo de impeachment do ex-presidente.

Os investigadores apreenderam os aparelhos eletrônicos e revistaram o apartamento de Giuliani na Madison Avenue e no escritório na Park Avenue. A operação foi confirmada à agência Reuters por Bob Costello, advogado do ex-prefeito republicano.

As investigações ocorrem há quase 1 ano e meio e apontam que Giuliani teria feito lobby dentro do governo dos Estados Unidos e atuado, principalmente, para convencer a Casa Branca a trocar a então embaixadora do País na Ucrânia, Marie L. Yovanovitch. Costello diz que Giuliani negou envolvimento em qualquer lobby impróprio e disse que os eletrônicos apreendidos continham material coberto pelo privilégio advogado-cliente.

“O prefeito Giuliani não só negou essa alegação, mas ofereceu duas vezes nos últimos dois anos, por meio de seu advogado Bob Costello, para demonstrar que era totalmente falsa. Duas vezes a oferta foi rejeitada”, disse Costello, no comunicado.

Amazonino

Em 2018, o Amazonas fechou, no valor de R$ 5,6 milhões, um contrato de consultoria do ex-prefeito de Nova Iorque, Rudolph Giuliani, por meio da empresa Giuliani Security & Safety, para ações de segurança pública. O Estado firmou um protocolo de intenções pelo então governador Amazonino Mendes (PDT). O documento previa a prestação de “serviços de assessoria e consultoria para repressão à criminalidade”.

A consultoria resultou em um levantamento sobre a violência no Estado. A empresa também passou a acompanhar presencialmente o trabalho da Secretaria de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM) e apresentou sugestões de apoio para a integração do sistema de segurança e ações concretas para redução de violência.

O contrato, contudo, se tornou alvo de investigação pelo Ministério Público do Amazonas (MP-AM) por suspeita de irregularidades na dispensa da licitação. O órgão ministerial determinou a abertura de um inquérito por conta da dispensa de licitação no documento.

Em 2020, em declaração durante a inauguração da nova sede do Departamento de Repressão ao Crime Organizado (DRCO), o atual governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), disse que os dados obtidos nos relatórios elaborados pela empresa não foram utilizados. O gestor considerou que os resultados da consultoria Giuliani foram sem novidades. “Muitas das coisas já eram de conhecimento do nosso pessoal”, disse Lima, à época.

Quem é Giuliani?

O ex-prefeito de Nova Iorque é conhecido mundialmente pelo programa “Tolerância Zero”, implantado na época em que era gestor da cidade americana. Por meio do projeto, o índice de criminalidade reduziu em mais de 60% na região, entre os anos de 1994 e 2002. Giuliani também implantou medidas de combate à violência na Colômbia, Guatemala, Canadá, El Salvador e Honduras.