Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
19 de abril de 2021

Dólar

Euro

Manaus
23oC  29oC
Acompanhe nossas redes sociais

Com informações do G1

MANAUS – O juiz que preside a audiência contra o Derek Chauvin, o policial acusado nos Estados Unidos pela morte de George Floyd, adiou o início do processo, que deveria começar nesta segunda-feira, 8, com a seleção do júri.

A morte de Floyd foi o motivo de uma onda de protestos contra o racismo nos Estados Unidos e no mundo.

O ex-policial é acusado do assassinato de George Floyd, afro-americano que morreu sob custódia da polícia há nove meses. Chauvin foi expulso da polícia depois de ser filmado pressionando o pescoço de Floyd durante quase nove minutos. Durante esse tempo, Floyd, que estava algemado, dizia que não conseguia respirar.

O magistrado Peter Cahill atrasou o início do julgamento ao menos até terça-feira, 9, porque a acusação pediu: um outro tribunal examina se é possível acusar Chauvin de assassinato em terceiro grau, e os promotores querem aguardar essa decisão antes de começar a seleção do júri.

Caso Chauvin responda a um homicídio de maior grau (o que acontece de acordo com a vontade de matar, premeditação e outras características do crime), a pena máxima dele pode ser maior. O policial é acusado também de assassinato em segundo grau e homicídio culposo pela morte de Floyd em 25 de maio de 2020.

O afro-americano morreu sufocado depois que Chauvin o imobilizou, apertando o joelho sobre o pescoço da vítima por quase nove minutos.

“Os jurados em potencial estão aqui, mas vamos ser realistas, isso não vai começar antes de amanhã”, disse o magistrado. “Então, salvo objeção de uma das partes, vou liberar os jurados e começar tudo amanhã com a seleção”, acrescentou.