Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
23 de outubro de 2021
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE
image/svg+xml
Priscilla Peixoto – Da Cenarium

MANAUS – O Centro de Biotecnologia da Amazônia (CBA) realizou uma agenda de integração com profissionais locais de imprensa e representantes do órgão, na manhã desta quinta-feira, 5. O objetivo é estreitar a relação com veículos de comunicação do Amazonas e mostrar as atividades de estímulo à bioeconomia amazônica, assim como desenvolvimento do empreendedorismo biotecnológico. A unidade fica localizada no Distrito Industrial 1 e é gerida pela Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa).

O CBA tem como objetivo desenvolver alternativas econômicas por intermédio da inovação tecnológica, visando melhorar o fomento econômico e social da biodiversidade amazônica, de forma sustentável. Durante o encontro, o superintendente da Suframa, Algacir Polsin, acompanhado do gestor do CBA, Fábio Calderaro, e os pesquisadores do centro, apresentaram a estrutura do Centro de Biotecnologia aos presentes e falaram sobre os projetos que já estão em andamento.

“Conhecer o que nós fazemos, as nossas potencialidades é algo muito importante para nós. A capacidade do CBA, as possibilidades da nossa subeconomia precisam ser conhecidas para atrair desenvolvimento para região. Atrair investimentos e empresas, assim como mostrar as possibilidades para as empresas que já estão aqui instaladas”, declarou Algacir.

O CBA possui um quadro de 45 funcionários, entre pesquisadores e técnicos-administrativos (Reprodução/Márcio Gallo/Suframa)

Projetos

Ainda de acordo com Algacir, a unidade tem buscado diversificar indústrias e reforçar ações no Polo Industrial de Manaus, o superintendente também ressaltou a iniciativa de focar na economia visando o turismo.” Nessa diversificação vemos a bioeconomia, as bioindústrias, como um fator muito importante”, afirmou o superintendente da Suframa.

Os profissionais da imprensa tiveram a oportunidade de conhecer uma parte dos 26 projetos em desenvolvimento pelos cientistas do CBA. Dentre os projetos está a implantação ou desenvolvimento de métodos para controle da qualidade e/ou rastreabilidade de insumos da Amazônia; a produção de mudas em larga escala e elaboração de bioprodutos derivados da fibra do curauá; e a valoração dos frutos amazônicos e impacto do processamento sobre sua qualidade.

Há vários outros estudos voltados às áreas da saúde, fármacos, biocosméticos e meio ambiente. Em destaque estão os estudos envolvendo a produção de anticorpos para doenças de variadas origens, inclusive a Covid-19.

O CBA apresentou novas iniciativas à imprensa, nesta quarta-feira, 6 (Reprodução/Márcio Gallo/Suframa)

Identidade jurídica

De acordo com Algacir, o processo para a criação da identidade jurídica para o CBA está em andamento sob coordenação do Tribunal de Contas da União (TCU). Ele ressaltou que o centro está em busca do Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ), possibilitando maiores voos e o recebimento de recursos de empresas privadas.

O objetivo é estreitar a relação com veículos de comunicação do Amazonas e mostrar as atividades de estímulo à bioeconomia (Reprodução/Márcio Gallo/Suframa)

“Nós estamos deixando para trás todos os dias a imagem que muitas pessoas têm de que o CBA é um ‘elefante branco’. Atualmente, o CBA está realizando uma série de atividades. Estamos buscando mudar a personalidade jurídica do CBA, de tal maneira que ele tenha o CNPJ e possa voar. O nosso motor econômico é a indústria, o Polo Industrial de Manaus, que não buscamos substituir e sim complementar. Então, a bioeconomia é o carro-chefe para a complementação econômica da Amazônia”, ressaltou Algacir.

Sobre o CBA

Com área construída em 12 mil metros quadrados e estruturada principalmente a partir de investimentos feitos pela Suframa, o Centro de Biotecnologia da Amazônia (CBA) recebe a ordem de R$ 2,5 milhões do Governo Federal e possui um quadro de 45 funcionários, entre pesquisadores e técnicos-administrativos.

Atualmente, o CBA oferece para o mercado um conjunto de serviços de análises físico-químicas e análises microbiológicas, e serviços técnicos especializados, como ensaios de eficácia e segurança toxicológica.