4 de março de 2021

Com informação da DW

SÃO PAULO – O presidente do comitê organizador dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, o ex-primeiro-ministro Yoshiro Mori, renunciou ao cargo nesta sexta-feira, 12, após fazer comentários sexistas que causaram uma onda de indignação internacional.

“Meus comentários inadequados causaram um grande problema. Sinto muito”, disse Mori em uma reunião entre funcionários do alto escalão do comitê organizador. “Se minha presença causa problemas, nossos esforços alcançados até agora foram reduzidos a nada.”

A polêmica fala em questão foi uma resposta de Mori quando questionado sobre os planos do Comitê Olímpico do Japão em aumentar o número de mulheres de 20% para 40% em suas fileiras. “Ouvi alguém dizer que, se aumentarmos o número de mulheres no conselho, temos que regular o tempo de uso da palavra de alguma forma, ou nunca terminaremos”, disse ele, na época.

Inicialmente, Mori se desculpou, mas se recusou a renunciar. A postura do ex-primeiro-ministro atraiu críticas do Comitê Olímpico Internacional (COI), de patrocinadores, especialistas e provocou uma petição online que recolheu mais de 150 mil assinaturas.

“Absolutamente inadequado”

“O comentário [de Mori] é diferente de nossos valores e o consideramos lamentável”, disse o presidente da Toyota Motor Corp., Akide Toyoda. A construtora japonesa é um dos principais patrocinadores do Comitê Olímpico Internacional e raramente fala sobre questões políticas.

O próprio COI classificou a declaração de Mori como “absolutamente inadequada” e “em contradição” com suas diretrizes. As palavras de Mori também motivaram a retirada de centenas de voluntários japoneses inscritos para ajudar na organização dos Jogos e de corredores que iam participar do revezamento da Tocha Olímpica no Japão, cujo percurso está programado para o final de março.

Os Jogos Olímpicos de Tóquio foram adiadas no ano passado devido à pandemia do coronavírus. No momento, estão programadas para julho, seguidos pelos Jogos Paralímpicos um mês depois.

O presidente do Comitê Paralímpico Internacional (IPC), Andrew Parsons, afirmou esperar que todo o alvoroço em torno das declarações de Mori leve a uma mudança positiva na diversidade e inclusão.

“Acredito firmemente que, de todas as situações ruins, algo bom deve sair disso”, disse Parsons. “Espero sinceramente que a reação nacional e internacional dos últimos sete dias possa ser aproveitada para que a sociedade dê maior ênfase à diversidade e inclusão, não apenas em termos de representação de gênero, mais também de raça, sexualidade e pessoas com deficiência.”

Uma pesquisa recente no Japão apontou que 80% das pessoas preferem que os Jogos Olímpicos sejam cancelados ou adiados para o ano seguinte.

Substituto de Mori barrado

Como seu substituto, Mori indicou Saburo Kawabuchi, de 84 anos, ex-presidente do órgão regulador do futebol japonês e também ex-jogador de futebol. No entanto, após relatos de que o governo bloquearia a indicação, Kawabuchi recusou o pedido para assumir a chefia do comitê organizador dos Jogos Olímpicos de Tóquio.

Analistas questionaram porque uma mulher não foi nomeada. A mídia japonesa apontou três candidatas – Kaori Yamaguchi, Mikako Kotani e Naoko Takahashi, todas ex-atletas, medalhistas olímpicas, qualificadas para o cargo e uma geração mais jovem.

A questão levou a um amplo debate sobre o preconceito de gênero na sociedade japonesa. O Japão ocupa a 121ª posição entre 153 países nas classificações de igualdade de gênero do Fórum Econômico Mundial.

“Uma clara maioria dos japoneses considerou os comentários de Mori inaceitáveis, portanto o problema tem mais a ver com a falta de representação de mulheres em cargos de liderança. Este triste episódio pode ter o efeito de fortalecer o apelo por uma maior igualdade de gênero e diversidade nos corredores do poder”, disse Koichi Nakano, cientista política da Universidade de Sophia, localizada em Tóquio.

Após a renúncia, o Comitê Olímpico Internacional comunicou que está “mais comprometido do que nunca” em organizar os Jogos em meados deste ano. “O COI continuará trabalhando lado a lado com seu sucessor para garantir a segurança dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 em 2021”, disse o presidente da entidade, o alemão Thomas Bach, em comunicado.