Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
22 de outubro de 2021
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE
image/svg+xml

Com informações do Infoglobo

RIO DE JANEIRO – O endividamento das famílias brasileiras bateu recorde, com o valor total das dívidas chegando a 59,9% da renda média anual, segundo dados mais recentes do Banco Central. O resultado de junho é o maior patamar desde o início da série histórica do BC, em 2005. Com a inflação em alta e a perspectiva de um aperto maior de juros, analistas alertam que o orçamento comprimido das famílias com dívidas será um limitador adicional ao crescimento da economia nos próximos meses.

Mesmo sem considerar os financiamentos imobiliários — um crédito mais “saudável” por ser de longo prazo e representar um investimento das famílias — o endividamento é recorde: 37%. Até julho do ano passado, este patamar nunca tinha superado 30%.

Na casa da agente de educação infantil Flávia Rodrigues, na Penha Circular, bairro da zona Norte do Rio, a palavra “dívida” entrou para o vocabulário corrente em 2021. Do salário de Flávia, sobram apenas R$ 400 para gastos básicos, que se somam aos R$ 1.300 mensais de ganhos do filho mais velho, Raphael.

No sufoco, Flávia já recorreu a dois empréstimos neste ano, em fevereiro e em agosto e acumula dívida superior a R$ 123 mil. O valor mensal de cada uma das 144 parcelas, de R$ 858, compromete 27% da renda familiar.

“Peguei o último empréstimo por causa da inflação, porque meu salário não tem reajuste há três anos. Tenho muito medo de ficar mais endividada. E não vejo luz no fim do túnel”, lamenta.

Pressão no orçamento

Em média, segundo dados do BC, o comprometimento mensal de renda das famílias com o pagamento de juros e prestações — incluindo dívidas mais longas, como financiamento imobiliário, e outras de curto prazo, como cartão de crédito ou parcelamento de compras — chegou a 30,9% em agosto, também em alta.

A inadimplência se mantém estável, em 4,2%, mas analistas temem que o peso da inflação — que chegou a 10,25% na taxa acumulada em 12 meses até setembro — force as famílias a atrasarem as prestações com o orçamento já apertado.

“Quando o consumidor paga mais caro por gasolina, alimentos, energia, começa a enfrentar dificuldades de honrar compromissos financeiros assumidos previamente. É um risco pela inflação, não por excesso de endividamento”, diz Luis Rabi, economista sênior da Serasa Experian.

Demitido em outubro de 2020, o pizzaiolo Messias Costa, de 32 anos, começou a trabalhar como motorista de aplicativo e contraiu dívidas no cartão de crédito. Em março, fez acordo com bancos para pagar quase R$ 30 mil. Mas, para quitar a prestação de R$ 1.200, teve de ampliar a jornada para 12h por dia, além de cortar a folga semanal. Foi obrigado a rever hábitos de consumo da família:

“Se tenho que ir em um shopping, não vou mais, porque tudo vai gerar custo. Toda noite, desligamos todos os aparelhos, menos a geladeira. Só quando pagarmos a dívida, vamos repensar tudo”, disse.

Simão Davi Silber, professor sênior do Departamento de Economia da USP e Pesquisador da FIPE, lembra que o consumo das famílias representa dois terços do Produto Interno Bruto (PIB, conjunto de bens e serviços produzidos pelo país).

Dívidas mais caras

E, a partir de agora, as dívidas ficarão mais caras com a perspectiva de aumento na taxa de juros pelo BC, hoje em 6,25% ao ano, justamente para conter a inflação:

“Para famílias com renda comprometida, o dilema vai ser tomar banho frio para comer. Estamos chegando a este nível, dada a pressão sobre o orçamento. Isso indica que as famílias têm capacidade de (consumo) comprometida ao longo de 2021”, avalia Silber.

Para Fabio Bentes, economista sênior da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), o desemprego elevado, que atinge mais de 14 milhões de pessoas, agrava o quadro.

Mas ele avalia que a curto prazo, parte do desconforto poderá ser aliviado pelo avanço da vacinação e o aumento da circulação de consumidores no fim do ano. A expectativa da CNC é que esse movimento faça a contratação de temporários para o Natal ser a maior dos últimos oito anos:

Há uma espécie de válvula que vai aliviar, ao menos até dezembro. Mas depois disso a gente não sabe porque entramos em um ano complicado.