Com mensagem de paz, umbandistas de Manaus celebram Dia de Ogum com festa ‘Ogunhê – Samba de Terreiro’

Com informações da assessoria

MANAUS – No dia em que se comemora o Dia de Ogum, o orixá guerreiro, o Espaço Cultural Curupira Mãe do Mato recebe, a partir das 18h, a festa “Ogunhê – Samba de Terreiro”. O evento recebeu esse nome porque Ogunhê é uma expressão que representa saudação entre os fiéis que se dirigem a Ogum.

“Ogunhê é um samba de terreiro, uma celebração para falar sobre amor, luz e fortalecer nossa fé e nossas esperanças. Então por isso que eu digo, Ogunhê, o Samba de Terreiro, o samba que fortalece”, explica a organizadora e produtora do evento, Loren Luniére.

Comemoração visa fortalecimento por meio do samba, no Dia de Ogum (Divulgação)

A ideia de ocupar espaços culturais de Manaus com a mensagem de paz que o Samba de Terreiro possui surgiu após uma viagem da organizadora para Salvador, na Bahia. Durante um show dos Filhos de Gandhi, no Largo da Tieta, no Pelourinho, foi tocado o clarinete e o agogô puxando um ritmo chamado afoxé com pedidos de paz que tomou conta do local gerando comoção por ser no mesmo dia em que Kiev, na Ucrânia, foi atacada.

Ideia busca ocupar espaços culturais de Manaus com a mensagem de paz que o Samba de Terreiro possui (Divulgação)

“O som do terreiro ocupa espaços culturais na Bahia, ocupa o Carnaval, as ruas e o Pelourinho. É muito lindo de se ver. O brasileiro por si só já tem um pé na mandinga. Todo mundo tem seus hábitos, seus costumes e suas próprias crenças. Pensei em fazer isso em Manaus para que as pessoas tenham acesso a essa mensagem também. Temos passado por tempos muito difíceis”, explica a produtora.

Loren ressalta ser uma oportunidade de ter a experiência em que todos pedem a mesma coisa, além de conhecer ritmos novos como o Afoxé e o Ijexá.

“Esse é um show muito especial na minha carreira, geralmente a gente se entrega muito. Eu vou dar o meu melhor e a galera vai se divertir muito. Não tenho dúvidas”, conta James Rios, um dos artistas que irão se apresentar no local.

O evento contará ainda com a presença de Márcia Siqueira e Claudia Trindade. Além deles, o “Ogunhê – Samba de Terreiro” contará com a performance Mojubá com Vitor Rocha e apresentação do DJ Ravi. Os ingressos do 1º lote de “Ogunhê – Samba de Terreiro” estão à venda por R$ 30,00 ou pela plataforma Sympla com a taxa de adesão do site.

Homenagem a Ogum

No dia 23 de abril é comemorado o Dia de Ogum, um Orixá conquistador que fez com que vários reinos se curvassem diante de seu poderio militar em toda a África. Entre eles, estava a cidade de Iré, da qual se tornou senhor após libertar a cidade da tirania do rei e substituí-lo pelo seu próprio filho. Ele regressou com o título de Oníìré, ou seja, Rei de Iré.

“É sobre o que Ogum representa. Ele fortalece em tempos difíceis porque lutou contra a tirania, pela justiça, pela liberdade e pela paz. É o orixá que representa a força e que trouxe a paz, o amor e a liberdade para o povo dessa cidade que ele conquistou. Ogunhê é um samba de celebração para falar de amor. Por isso, digo, ogunhê-samba de terreiro, o samba que fortalece”, ressalta a produtora Lorén Luniére.

Celebração será neste sábado, 23, a partir das 18h (Divulgação)

Pelo sincretismo das religiões afro-brasileiras, Ogum é associado a São Jorge, o santo guerreiro do catolicismo. Por isso, comemora-se o dia de São Jorge no mesmo dia de Ogum: 23 de abril. O seu símbolo é a espada e suas cores são o vermelho (na umbanda), o azul, o branco e o verde (no candomblé).

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

VOLTAR PARA O TOPO