Com suspeita de Covid-19, sargento da PM relata falta de oxigênio em SPA

Stephane Simões – Da Revista Cenarium

MANAUS – Com suspeita de Covid-19, o sargento da Polícia Militar do Amazonas (PMAM), Nilson Santana, relatou à REVISTA CENARIUM, na manhã desta sexta-feira, 17, as dificuldades enfrentadas no Serviço de Pronto Atendimento (SPA) da Alvorada, zona centro-oeste, onde está internado desde a madrugada de segunda-feira, 13.

Na noite desta quinta-feira, 16, em um momento de desespero, o sargento chegou enviar áudios aos policiais da 10ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom), relatando a falta de oxigênio na unidade de saúde.

“Hoje está complicado o negócio aqui no SPA da Alvorada. Falta de oxigênio direto, está prejudicando muito. Eu estou com medo. Por favor, denunciem. Deem força”, pedia o sargento, conhecido na corporação como Lanoa.

Nesta manhã, a REVISTA CENARIUM conseguiu contato com o policial militar, que confirmou o que havia relatado nos áudios. De acordo com ele, desde quando deu entrada na unidade, a falta de oxigênio tem sido recorrente. “Foi um momento de aflição. Não tem oxigênio, aí fica complicado”, relatou.

Até o momento, ele afirmou não ter recebido informações sobre o resultado dos exames que investigam a suspeita de Covid-19. “Esse é outro problema. Desde quando eu cheguei, na segunda de madrugada, ainda não trouxeram o resultado, mas estou como suspeito. Estou me recuperando, mas eu não tenho meu diagnóstico, apesar de já terem feito a coleta”, relatou.

À REVISTA CENARIUM, a 10ª Cicom também já havia confirmado a veracidade dos áudios. Segundo eles, os relatos do sargento diziam que as condições do SPA da Alvorada eram precárias. Além da falta de oxigênio, há, ainda, a falta de Equipamentos de Proteção Individual (EPI) necessários para o atendimento.

A reportagem aguarda posicionamento da Secretaria Estadual de Saúde (Susam).

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

VOLTAR PARA O TOPO