Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
16 de novembro de 2021
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE
image/svg+xml

Priscilla Peixoto – Da Revista Cenarium

MANAUS – Durante toda esta semana é celebrada a semana do orgulho gay. E, durante o período, é muito comum ver nas publicações que abordam o tema a bandeira colorida, mais conhecida pela representação do arco-íris. Mas você sabia que, além desse famoso símbolo, há outras bandeiras que também representam os integrantes da comunidade LGBTQIA+? Conheça agora algumas das principais flâmulas usadas e seus significados.

A primeira bandeira foi criada em junho de 1978 por Lynn Segerblom e pelo ex-militar e designer de costura, Gibert Baker. Ela é inspirada nas cores do arco-íris, mais precisamente na canção “Over The Rainbow” – popularizada pela atriz e intérprete Judy Garland, do filme “O Mágico de Oz” – e no estilo de vida dos hippies que, dentre outras coisas, pregavam a paz como prioridade de vida e enxergavam no arco-íris um símbolo deste desejo.

Cada cor possui um significado, o vermelho representa a vida, laranja cura e revigoração, amarelo a luz solar, verde está ligado à natureza, turquesa seria a magia e a arte, azul representa a serenidade, violeta a espiritualidade e rosa relacionado à sexualidade.

A primeira bandeira criada para a comunidade LGBTQIA+ (Reprodução/Internet)

A tradicional

Um ano após a criação da bandeira, ela sofreu alteração e passou a ter somente seis cores sendo retirada a cor rosa, pois, na época, as fabricantes alegavam não conseguirem chegar exatamente ao tom proposto em larga escala. Mas seu estilo e imagem não ficou tão diferente por conta da pequena alteração. Atualmente ela é a mais usada em quase todas as ações ligadas ao movimento.

A bandeira tradicionalmente mais usada para representar os homossexuais (Reprodução/Internet)

LGBTQIA+ racial

Em 2017, foi inclusa mais duas cores na bandeira – preto e marrom. Com o objetivo de representar pardos e negros, as novas cores postas na bandeira por filadelfo Michael Page causou e ainda causa discussões, pois muitos alegam que as cores são desnecessárias, uma vez que as cores presentes já representariam todos os integrantes da comunidade. Porém, há também os que defendem a adesão e a necessidade de trazer para o símbolo a questão racial dentro da própria comunidade LGBTQUIAP+.

Bandeira LGBT aliada à representatividade negra (Reprodução/Internet)

Bandeira lésbica

Há muitas variações da bandeira que representam as lésbicas. Porém, a mais conhecida e usada em todo mundo tem sete cores. Roxo, roxo-claro, lilás, branco, rosa, salmão e magenta. Elas representam a feminilidade, amor, paz e serenidade, mulheres trans e lésbicas, comunidade, independência e sapatão (expressão usada entre as lésbicas), respectivamente.

Bandeira oficial da comunidade lésbica (Reprodução/Internet)

Bandeira trans

Bandeira trans, criada em 1999 por Monica Helms e apresentada oficialmente um ano após sua criação no Arizona, nos Estados Unidos. As cores pertencentes ao símbolo trans são azul, rosa e branco. Azul para representar tradicionalmente os homens, rosa para as mulheres e branco para pessoas não binárias. Uma curiosidade da símbolo é que as cores são organizadas de forma que não importa o lado ao qual vão balançá-la, ela vai estar sempre na ordem.

Bandeira da comunidade trans criada em 1999 (Reprodução/Internet)

Bandeira pansexual

A flâmula pansexual foi criada em 2010 na internet e traz as cores rosa, amarelo e azul indicando que os pansexuais podem ter relacionamentos com pessoas de diferentes gêneros e sexualidades. O termo pansexual também pode ser substituído pelo termo onissexualidade.

As cores simbolizam as diversidade afetiva e de gênero (Reprodução/Internet)

Bandeira bissexual

Há também o símbolo das pessoas bissexuais. A bandeira foi criada em 1998 também por Micheal Page, o mesmo homem que adicionou as cores preto e marrom na bandeira tradicional LGBTQIA+. O objetivo é dar mais visibilidade às pessoas que sentem atração por indivíduos do mesmo gênero e também do gênero oposto. As cores expostas são o rosa, azul e roxo. Simbolizam a atração sexual ao mesmo gênero, a atração pelo sexo oposto e fusão dessa atração por ambos os gêneros.

A bandeira bissexual foi criada para dar mais visibilidade aos bissexuais (Reprodução/Internet)