2 de março de 2021

Priscila Peixoto – Da Revista Cenarium

MANAUS – A relação contratual entre a Assembleia Legislativa do Estado (Aleam) e a TV Diário, do Grupo Diário de Comunicação (GDC), é alvo de processo que tramita no Ministério Público do Estado (MP-AM).

O processo foi publicado no Diário Oficial do MPE- AM, sob procedimento preparatório n° 06.2021.00000030-1, cujo objeto é a investigação do caso.

Para se ter uma ideia, em 23 dias, a TV Diário recebeu R$ 1,2 milhão. O MP-AM destacou o promotor Elvys de Paula Freitas para comandar as investigações.

O promotor requisitou da Aleam a cópia do contrato firmado entre a ‘casa do povo’ e a Amazonas Produtora Cinematográfica, razão social da TV Diário. Elvys deu dez dias úteis para que a Aleam forneça a cópia do documento.

Burocracia

O Ministério Público requer ainda cópias de outros documentos que fazem parte do expediente burocrático como cópia do procedimento licitatório ou, se for o caso, da dispensa que fundamentou a contratação.

Também, foram solicitadas as cópias dos comprovantes da natureza dos pagamentos realizados à empresa, desde o início da entrada em vigência do contrato até os dias atuais.

O Ministério Público abriu as investigações em face de denúncia de que os equipamentos arrendados à Aleam estão em sua maioria deteriorados e sucateados.

Sobrepreço

A possível falta de qualidade do material entra em choque com o alto valor pago pelos arrendamentos dos mesmos. De acordo com o Portal da Transparência, em menos de um mês a empresa faturou mais de R$ 1 milhão.

Ainda de acordo com uma fonte que não quis se identificar para a reportagem da REVISTA CENARIUM, a Aleam fez um ‘péssimo negócio’ porque com os altos valores repassados à TV Diário seria possível comprar em licitação todos os equipamentos acompanhados de peças reservas e com uma qualidade inquestionável.