Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
8 de dezembro de 2021
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE
image/svg+xml

Com informações do O Antagonista

BRASÍLIA – Ao confirmar que instalará a CPI da Covid, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, voltou a explicar porque se recusava a abrir a comissão no Senado. Além de “dificuldades operacionais”, por causa das medidas de isolamento, afirmou que ela não poderá substituir os órgãos de investigação.

“Temos também o fato de que ela, por sua natureza, pelo mérito que ela vai tratar de fatos, não se queira acreditar que vai poder substituir o papel do Ministério Público, da Polícia Federal, da Polícia Civil, da Controladoria-Geral da União. Não fará esse papel”, disse.

“A CPI poderá ter sim papel de antecipação de discussão político-eleitoral de 2022, de palanque político que absolutamente é inapropriado para esse momento da nação. Essas foram as razões pelas quais, todas elas, de ordem técnica, política, de conveniência, oportunidade e responsabilidade, que me fizeram não instalar a CPI até aqui”, afirmou em seguida.

Na última vez que O Antagonista consultou a Constituição e o regimento do Senado, não encontrou nada lá que proíba a instalação de CPIs que corram o risco de virar “palanque político”.

O pedido de CPI foi protocolado no início de fevereiro, com a assinatura de 30 senadores, mais que as 27 necessárias para sua instalação. Hoje, já conta com o apoio de 32.

Pacheco recusava-se a ler o requerimento no plenário e abrir a comissão sob a alegação de que “não é o momento de buscar culpados”. Os senadores Alessandro Vieira e Jorge Kajuru acionaram o Supremo e hoje Luís Roberto Barroso mandou o Senado instalar a CPI.