Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
16 de outubro de 2021
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE
image/svg+xml

This post is also available in (Post também disponível em): English (Inglês)

Com informações do O Globo

RIO DE JANEIRO – A CPI da Covid no Senado vai receber de representantes indígenas uma lista de pelos menos 15 tópicos a serem apurados pela comissão que vai investigar as ações e possíveis omissões do governo federal durante a crise sanitária nas aldeias. Entre as denúncias está uma orientação do próprio Ministério da Saúde para o uso de ivermectina e cloroquina em índios do Amazonas que apresentem sintomas da doença.

O tratamento do chamado “kit Covid” é questionado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e cientistas, uma vez que não existe nenhuma comprovação da eficácia dos medicamentos contra o coronavírus.

Ofício obtido pelo GLOBO confirma a indicação do “kit Covid” feita pela Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), vinculada ao Ministério da Saúde. Ele será enviado à CPI como prova, para que o colegiado possa cobrar providências sobre o que os índios apontam como “abandono e negligência” do governo federal no combate ao vírus entre esses povos.

Ofício obtido pelo GLOBO Foto: Editoria de arte
Ofício obtido pelo GLOBO (Reprodução/O Globo)

No documento distribuído pelo Distrito Sanitário Especial Indígena (DSEI) de Vilhena (RO) a coordenadores da Fundação Nacional do Índio (Funai) e lideranças indígenas de 144 aldeias da Amazônia, fica clara a recomendação dos medicamentos para “todos os que apresentarem sintomas como dores no corpo, tosse, dor de cabeça, febre, coriza, dificuldade para respirar, dor de garganta, perda do olfato ou paladar”.

O GLOBO fez contato com a coordenadora da DSEI Vilhena que assina o documento da Sesai, Solange Pereira Vieira Tavares, mas ela não retornou às mensagens nem às ligações. A Sesai e o Ministério da Saúde também não se pronunciaram.

Encontro com senadores

Profissionais de saúde atendem população da aldeia Campo Alegre, nos arredores de Tabatinga (AM) Foto: Jorge William / Agência O Globo
Profissionais de saúde atendem população da aldeia Campo Alegre, nos arredores de Tabatinga (AM) Foto: Jorge William / Agência O Globo

Os representantes indígenas vão usar o encontro virtual com senadores nesta sexta-feira, 29, para apresentar suas demandas. Representando a CPI, estará Humberto Costa (PT-PE), que é também presidente da Comissão de Direitos Humanos.

Os indígenas estarão representados pela deputada federal Joênia Wapichana (Rede-RR), coordenadora da Frente Parlamentar em Defesa dos Direitos dos Povos Indígenas; a ativista Maial Paiakan e os advogados Luiz Eloy Terena e Samara Pataxó.

“Vamos levar aos senadores a nossa preocupação com a alta taxa de mortalidade de indígenas, principalmente em contexto urbano, e denúncias de que garimpeiros aliciaram índios para trocar vacina por ouro, tudo isso em uma situação de baixa cobertura vacinal e diante do agravamento das invasões das terras indígenas durante a pandemia” adianta Joênia

Os indígenas também apresentarão à CPI um relatório sobre as missões das Forças Armadas em áreas mais afastadas. De acordo com o documento, algumas foram úteis e fortaleceram as ações de combate à Covid-19, mas outras foram consideradas um “teatro” e acabaram por levar mais risco do que ajuda humanitária.