‘CPI do Sertanejo’: Anitta diz que já negou propostas de desvio de verba para shows pagos por prefeituras

Com informações do Estadão

A cantora Anitta afirmou que já recebeu propostas de desvio de verbas para shows pagos por prefeituras. A fala está em entrevista ao Fantástico que vai ao ar neste domingo, 5, e que teve trecho compartilhado no horário do Jornal Nacional do último sábado, 4.

“Eu já recebi propostas, eu e meu irmão. ‘Você cobra tanto, aí eu vou e pego um pedaço.’ Eu falei não”, disse na entrevista, feita no Museu Madame Tussauds, em Nova York. O irmão, Renan Machado, é empresário da cantora.

Cantora Anitta  posa ao lado da estátua de cera em sua homenagem no Madame Tussauds de Nova York; em entrevista feita no museu para o Fantástico deste domingo, 5, Anitta releva que já teve propostas de desvio de verbas em shows pagos por prefeituras
Cantora Anitta posa ao lado da estátua de cera em sua homenagem no Madame Tussauds de Nova York (Jamie McCarthy/Getty Images for Madame Tussauds New York/AFP)

Um comentário sobre Anitta foi o pontapé inicial dos pedidos por uma CPI do Sertanejo, que investigaria o desvio de verbas públicas para pagamento de shows.

O cantor Zé Neto, da dupla com Cristiano, disse em Sorriso (MT), no dia 12 de maio: “Nós somos artistas que não dependemos da Lei Rouanet. O nosso cachê quem paga é o povo. A gente não precisa fazer tatuagem no toba para mostrar se a gente tá bem ou não”. A referência do cantor foi a uma tatuagem íntima feita por Anitta.

A declaração fez com que usuários nas redes sociais começassem a apontar que, embora não usem da lei, os cantores de sertanejo costumam fazer apresentações pagas com verba municipal, que também é dinheiro público. A prática, comum entre artistas de todos os espectros políticos, a priori, não é ilegal.

Nas redes, usuários mostraram que Zé Neto recebeu R$ 400 mil da prefeitura de Sorriso pelo show realizado na 33ª Exporriso, o mesmo em que fez a declaração sobre Anitta.

Desde então, uma série de investigações sobre os cachês de prefeituras a shows de artistas do mundo sertanejo foram iniciadas. Na semana passada foi revelado que a Prefeitura de Conceição do Mato Dentro (MG) pagaria ao cantor Gusttavo Lima um cachê de R$ 1,2 milhão. O Ministério Público de Minas Gerais (MP-MG) instaurou procedimento para apurar o pagamento de R$ 2,3 milhões pela prefeitura de Conceição do Mato Dentro aos cantores que se apresentariam no mesmo evento na cidade em junho. Após polêmicas, o evento foi cancelado.

Como revelou o Estadão, o cantor também usufruiria de uma fatia do R$ 1,9 milhão destinado pelo deputado André Janones (Avante-MG), que é pré-candidato à Presidência, para bancar uma festa com estrelas da música sertaneja em Ituiutaba (MG), sua cidade natal.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

VOLTAR PARA O TOPO