26 de novembro de 2020

Dólar

Euro

Manaus
23oC  29oC

Bruno Pacheco – Da Revista Cenarium

MANAUS – Em meio à proibição de toda e qualquer propaganda eleitoral neste domingo, 15, de eleições, santinhos de candidatos foram espalhados nas proximidades de alguns locais de votação. De acordo com a legislação, a prática de configura crime no dia de votação, sujeito à pena de prisão e multa tanto para quem o pratica, como para o candidato.

No entorno da Escola Estadual de Tempo Integral Professor Djalma da Cunha Batista, no bairro Japiim, Zona Sul de Manaus, a REVISTA CENARIUM flagrou a calçada tomada pela sujeira, com santinhos do candidato à Prefeitura Ricardo Nicolau (PSD).

No mesmo local, a reportagem registrou santinhos dos candidatos à Câmara Municipal de Manaus (CMM), entre eles, Ney Junior, Elias Emanuel e Everton Assis, conforme as imagens abaixo:

Santinhos foram encontrados nas ruas nesta manhã (Bruno Pacheco/ Revista Cenarium)
Eleitor caminha sobre santinhos jogados na Rua Paraguassu, bairro Japiim, Zona Sul de Manaus (Ricardo Oliveira/ Revista Cenarium)

Na avenida André Araújo, em frente a Secretaria de Saúde do Amazonas (SEA-AM), no bairro Aleixo, Zona Centro-Sul, a situação também é a mesma: o chão coberto por santinhos de candidatos.

Uma grande quantidade de santinhos também foi encontrada na escadaria que dá acesso ao Instituto de Educação do Amazonas (IEA), na Rua Ramos Ferreira, bairro Centro de Manaus.

Para o pastor Geraldo Barbosa, de 65 anos, o despejo dos santinhos é uma prática irresponsável de quem o faz, trazendo sérios prejuízos ambientais e econômicos para a cidade.

“Isso é dinheiro que mais tarde vai ter que voltar. Esses candidatos, se ganharem as eleições, irão tirar dinheiro de algum canto para cobrir essa quantidade e desperdício de material. É totalmente irresponsável”, disse Barbosa.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.