24 de novembro de 2020

Dólar

Euro

Manaus
23oC  29oC

Com informações do Correio Brasiliense

BRASÍLIA – Com a pandemia do novo coronavírus e o fechamento dos principais aeroportos estrangeiros a brasileiros, por conta da segunda onda em países da Europa e nos Estados Unidos, destinos nacionais devem ser os mais procurados nos feriados de fim de ano.

Desde setembro, quando os casos de Covid-19 e as mortes provocadas pela doença começaram a diminuir no Brasil, hotéis, resorts, pousadas, agências de viagens e empresas de transporte buscam resgatar o tempo perdido, sem alívio para o bolso dos turistas. Por isso, as opções domésticas podem custar o equivalente a uma viagem ao exterior. Para se ter uma ideia, o aluguel de uma casa em Trancoso, Sul da Bahia, está variando entre R$ 300 mil e R$ 1 milhão por mês.

O economista Hugo Passos explica que o setor de turismo ainda sofre o impacto negativo da pandemia. “De acordo com o levantamento da Federação do Comércio de São Paulo (Fecomércio-SP), o prejuízo soma R$ 42 bilhões desde o início da crise sanitária. Em setembro, os serviços de hospedagem e alimentação caíram 38,4% e o transporte aéreo, 35,5%. Ainda há restrições aos serviços de hospedagem e os assentos da aviação estão reduzidos. Isso mostra que a recuperação é lenta”, afirma.

Para especialistas do setor, a demanda por voos e viagens começou a ser retomada em setembro. John Rodgerson, presidente da Azul, chegou a afirmar, em evento virtual, que os brasileiros voltaram a amar seu próprio país. “Nós estamos superanimados, cada vez mais as pessoas estão viajando para mais partes do Brasil.”


No mesmo evento, Fernando Pantaleão, vice-presidente de Soluções e Vendas para o Comércio da Visa do Brasil, garantiu estar otimista com a retomada, sobretudo com o aumento nos gastos dos turistas. “Está clara a retomada de volume financeiro. Estamos vendo uma recuperação importante dos valores transacionados. Em setembro e outubro, foi muito forte.” Um dos motivos, segundo os próprios turistas, é que as viagens estão muito caras.


A família da jornalista Victoria Basques, 22 anos, decidiu viajar para Natal (RN) neste fim de ano. “Eu vou com a minha mãe e meus avós, do dia 8 a 14 de dezembro. Nós estávamos planejando essa viagem para o início deste ano, mas, devido à pandemia do coronavírus, decidimos adiar”, conta.

A ideia inicial era ir para Porto Seguro. “Porém, não tem vôo direto para lá. Teria que fazer escala. Para Natal, mesmo com a passagem mais cara, o voo é direto”. Com isso, a família vai aproveitar para fazer um agrado aos avós. “Meu avô é de uma cidade no interior do Rio Grande do Norte chamada Santana do Mato. Vamos visitar a cidade dele e reviver algumas coisas para que eles possam se divertir, pois, depois de todo o isolamento social, estão precisando”, diz. “Com todos os cuidados possíveis”, acrescenta.


A decisão, no entanto, pesou no bolso. Para Victoria, as passagens estão muito caras, “Eu pensei que os preços iriam baixar por não ter muita gente viajando. Mas, o que pagamos para ir a Natal, só com passagens, é quase o que gastaríamos para ir para Nova York ou para algum país da Europa”, lamenta. Mesmo planejando a viagem, Victoria reconhece que não é momento certo para viajar. “Tem toda a questão de aglomeração, de usar a máscara, de não poder visitar alguns pontos turísticos e não ter contato com outras pessoas. Só estamos indo porque meus avós estavam com muita expectativa”, revela.

A estudante Ana Paula Canuto, 23, ainda não tirou a ideia do papel, mas pretende viajar em dezembro. “Estou entre Jericoacoara e Rio de Janeiro. Jeriquaquara, porque não conheço, e Rio, para ir a novos lugares”, conta. “Muitas coisas voltaram a funcionar. Fim de ano é época de festas, um momento em que todo mundo aproveita para desestressar, pois a pandemia deixou todos tensos. Foi um período difícil. Nada melhor que fechar com uma boa viagem. Mas, claro, seguindo todas as normas de segurança, pois saúde em primeiro lugar”, completa.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.