Dimas Covas diz que fala de Bolsonaro na internet levou à interrupção de compra de vacina

Com informações do O Globo

BRASÍLIA – O diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, contradiz o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello e afirma que as declarações antivacina do presidente Jair Bolsonaro prejudicaram as negociações para adquirir a CoronaVac.

O então ministro Pazuello  anunciou a intenção de compra em 19 de outubro, o que não se concretizou. O médico disse que não recebeu ofício cancelando as negociações após as falas de Bolsonaro, mas avalia que houve prejuízo para a entrega de vacinas.

“Após o dia 20 de outubro, isso foi absolutamente interrompido. De fato, nunca recebi um ofício dizendo que a intenção de compra feita no dia 19 [de outubro] não era mais válida, mas, na prática, não houve consequência. A consequência foi no dia 7 de janeiro, e mesmo assim em detrimento de outras iniciativas que não eram certo. A houve a tentativa de trazer vacina da Índia, que não foi bem-sucedida. Houve a dificuldade da própria AstraZeneca (que produz vacina em parceria com a Fiocruz). Naquele momento, a única vacina disponível era a do Butantan”, disse Dimas.

O médico refuta a afirmação de Pazuello em relação ao posicionamento de Bolsonaro contra a compra da CoronaVac de só ser “fala de internet” e que o presidente não interferiu na compra de imunizantes.

“Óbvio que isso causa uma frustração da nossa parte. Voltamos ao Butantan e continuamos o projeto. Mas aí já com algumas dificuldades. A inexistência de um contrato com o ministério, que é nosso único cliente, colocava uma incerteza em termos de financiamento. E já tínhamos contratado com a Sinovac uma parte importante do projeto”, disse Dimas.

Na ocasião, Pazuello havia declarado que “um manda e outro obedece”. Já na CPI, o general blindou Bolsonaro e negou que o presidente tenha interferido na compra:

“Nós não havíamos comprado ainda nem uma dose da vacina do Butantan, porque não podíamos comprar. Havia uma intenção de compra. Então, o presidente não poderia mandar cancelar a compra, porque eu não tinha feito a compra ainda. Então, eu não cancelei a intenção de compra em momento algum. E o que o Presidente falou na rede social, volto a colocar: ele não repetiu isso para mim oficialmente nem pessoalmente. Eu não segui, eu não sigo, não seguiria e acho que ninguém deve seguir uma ordem emanada por uma rede social”, afirmou.

Relator da CPI, Renan Calheiros (MDB-AL) afirmou que Bolsonaro fez 14 declarações contra a CoronaVac e questionou se o Butantan observou alguma resistência das pessoas à vacina em razão disso.

“Em outubro, tivemos dificuldade de recrutamento [para os testes], em razão dos ataques. Mas com o começo da vacinação, essa percepção desapareceu”, afirmou Dimas.

O diretor do Butantan afirmou que, em dezembro, havia 5,5 milhões de doses prontas e outras 4 milhões em processamento, mas ainda sem contrato com o ministério. A vacinação, porém, não poderia começar naquele momento, porque a aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) só viria em 17 de janeiro.

“Não houve mais progressos nessas tratativas até janeiro”, disse Dimas, acrescentando. “O contrato com a outra vacina da AstraZeneca foi feito em agosto. Esta só foi contratada em janeiro, seis meses depois da primeira oferta”, destacou. 

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

VOLTAR PARA O TOPO