6 de março de 2021

Da Revista Cenarium

De forma espontânea, a REVISTA CENARIUM concede Direito de Resposta extrajudicial ao Casarão de Idéias citado na matéria: Lei Aldir Blanc em Manaus: filha de Amazonino recebe R$ 60 mil e R$ 4 milhões ficam concentrados nas mão de 30 artistas; não contemplados precisam de ajuda.

Leia mais sobre o assunto: De diretor municipal à artista na Grécia: veja alguns dos contemplados pela Lei Aldir Blanc no Amazonas

DIREITO DE RESPOSTA

O Casarão de Ideias, por meio do seu diretor-presidente, João Fernandes, vem por meio deste pedir direito de resposta para esclarecer as informações publicadas, nesta sexta-feira, 19, pela jornalista Paula Litaiff, na matéria ‘Lei Aldir Blanc em Manaus: filha de Amazonino recebeu R$ 60 mil e R$ 4 milhões a 30 artistas; não contemplados precisam de ajuda’.

Antes de mais nada, é bom esclarecer que a jornalista em questão não entrou em contato com ninguém do espaço cultural, como ela escreve na matéria, e solicitou informações por meio de terceiros. Na conversa, feita de maneira informal por meio um aplicativo de bate-papo, a assessoria de imprensa informou que detalhes sobre a Lei Aldir Blanc deveriam ser pesquisadas junto a Prefeitura de Manaus, responsável por gerenciar a verba.

A Associação Cultural Casarão de Ideias, como o nome já diz, é uma entidade que agrega diversos artistas e que os representa. E assim o fez no edital. Vários projetos apresentados eram propostas de pessoas associadas e que o Casarão fez a representação como Pessoa Jurídica (PJ), amparado em seu estatuto em seu capítulo I, artigo 2. Nesse sentido não fere nenhum item do edital, bem como a questão de distribuição para diversos artistas.

Todos os projetos contemplados já realizados, em sua maioria, criaram na cidade uma rede de trabalho direto e indireto. Proporcionando o que o certame tinha como objeto direto: proporcionar auxílio para a cadeia econômica e cultural. Para isso, podemos citar entre os empregos diretos no Mova-se com 50 bailarinos, 20 técnicos de palco, equipes de fotografia, cinegrafistas, empresas de material gráfico, empresas de equipamentos de luz, som e telões.

Nós demais projetos, artistas, inclusive vindo do interior do Estado, empresas de aluguel de bikes, rádios de contato, estandes, monitores, equipe de intérprete de libras, material em Braille e equipes de audiodescrição. Colocados em números, mais 300 empregos diretos foram contemplados nas ações acima citadas. Além dos indiretos, que movimentam economicamente a cidade e o Estado. É importante lembrar que os projetos aprovados passaram por diversas comissões, o que dá lisura ao processo de aprovação.

O Casarão de Ideias é uma associação reconhecida por estar sempre entre os contemplados em diversos editais locais, estaduais, nacionais e internacionais, dentre eles: o Boticário na Dança, Itaú Cultural, Funarte, Caixa Cultural, Ancine, Iberescena, sendo último internacional para ações de cultura nos países ibero-americanos. Neste sentido, não se trata desse edital em questão a participação da associação em aprovação. Todos esses, por mais de uma vez, teve sua prestação de contas aprovadas pelos órgãos reguladores.

Sobre a prestação de contas, que segundo a jornalista deve ser pública, há um equívoco. É preciso esclarecer que a Lei Aldir Blanc se trata de uma premiação e não um convênio público. O que o edital exige é um relatório das ações realizadas, o que já consta em nossas redes sociais e demais meios eletrônicos. Inclusive com grande repercussão na mídia e na população amazonense, o que vai ao encontro do que se espera da aplicação de recurso público. E que por conta do decreto de pandemia, algumas etapas ainda aguardam execução por ser necessário inclusive o horário noturno.

Todas as ações contempladas na Lei Aldir Blanc foram amplamente divulgadas em grandes veículos de comunicação da cidade, inclusive pelo próprio site da autora da matéria. Com uma simples pesquisa na ferramenta ‘Google’, é possível ter acesso aos projetos implementados pelo espaço cultural.

Ademais, o Casarão de Ideias está à disposição de todo e qualquer veículo de imprensa para esclarecer quaisquer dúvidas, desde que isso seja feito de forma correta e formal, e se solidariza com todos os artistas mencionados na matéria e que exercem na cidade um grande trabalho para fazer cultura.