DJ nortista lança remix de ‘À Primeira Vista’, sucesso dos anos 1990

Priscilla Peixoto – Da Cenarium

MANAUS – O músico, produtor e DJ Keoma lança, nesta sexta-feira, 1º, o mais novo projeto intitulado “Keoma”, que tem como essência fazer remixes de boas canções, misturando elementos eletrônicos com axé, reggae, dance e regionalidades. Desta vez, o artista fez uma viajem no tempo e fez uma nova “roupagem” a canção “À primeira Vista”, composição do cantor e autor Chico César, sucesso nos anos 1990, interpretada pela cantora Daniela Mercury.

A composição estreia nas plataformas digitais, como YouTube, Spotify, Deezer, Apple Music e Itunes. “O Remix da música de Chico César é simplesmente a brasilidade que tento trazer para as minhas músicas, sem contar com a mensagem de amor que ela me passa. É um sentimento que gosto muito de falar nas minhas artes”, conta Keoma, nome artístico adotado por Lakatuch Keoma Ramos.

Keoma é o sobrenome de Lakatuch Keoma Ramos, músico há mais de 15 anos (Reprodução/Instagram)

Keoma é um DJ nortista que atua há mais de 15 anos e já participou de trabalhos com diversas bandas, que vão do ritmo zouk, reggae e pagode. Há pouco mais de um ano focado no projeto “Keoma”, além do resgate de canções de sucesso nacionais, ele também revela que as toadas de boi-bumbá compõem a playlist de hits remixados.

“Neste período, já desenvolvi diversas produções de sucesso, como por exemplo o single ‘Viajar’, em parceria com Gabi Mello e remix oficial de ‘O amor está no ar’, em parceria com Luiz Beleza. “Não poderia deixar de fazer um remix da toada de nosso compositor Chico da Silva, ele é um talento com belas composições”, ressalta o DJ.

Playlist

Segundo o DJ Keoma, algumas canções do projeto já foram lançadas nos streamings. Dentre elas, estão “O amor está no ar” ,”Viajar”, “Baby I can feel”, entre outras. Ele afirma que pretende inserir mais toadas que farão parte do repertório.

“Em novembro, pretendo lançar o remix de mais algumas toadas do Garantido, como ‘Lamento de Raça’, ‘Vermelho’ e ‘Parintins para o Mundo Ver’. Além disso, é um trabalho feitos aos poucos, precisa de divulgação nas plataformas, mas vem mais algumas músicas bem legais. Como exemplo, um remix que terei com a voz do David Assayag, que vai trazer mensagens de proteção da Amazônia”, revela o artista.

O DJ ressalta a importância de valorizar o boi-bumbá e a regionalidade amazônica (Reprodução/ Instagram)

Público-alvo

Keoma ressalta que por conta do trabalho diferenciado, tem notado uma maior abrangência em relação ao público, conseguindo atingir até mesmo aos que não apreciam tanto a música eletrônica. Ele acredita que o segmento está em expansão e o cenário “pós-pandemia” pode ter influenciado no gosto musical dos ouvintes, se permitindo ouvir algo novo.

“Percebo um cenário diferente de antes da pandemia, no qual as pessoas querem viver o hoje e se divertir. Faço música para todos os públicos, até porque trabalho muito com remix de músicas bem consolidadas, como toadas do nosso boi-bumbá, MPB. Com isso, consigo atingir um público que não costuma ouvir tanta música eletrônica, mas ao ouvir, percebe a leveza e ao mesmo tempo as caraterísticas dançantes da música eletrônica”,

DJ

De acordo com o Keoma, o trabalho musical é desenvolvido em três vertentes, sendo elas; volta ao tempo, resgatando músicas que marcaram época; brasilidades valorizando as variedades de ritmos que há no País e sensações, focando em canções que trabalhem o despertar sentimental

“Trabalho nesses três pontos onde eu trago músicas que fizeram parte da minha vida. Valorizo a riqueza gigantesca em ritmos e quero muito explorar isso e poder levar a música brasileira pro mundo todo. Sempre busco trazer uma sensação na música, algum sentimento. Convido a todos a ouvir este trabalho e tenho certeza que vocês vão gostar dessa versão de ‘À Primeira Vista’, pois está muito legal”, finaliza o DJ.


Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

VOLTAR PARA O TOPO