Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
22 de outubro de 2021
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE
image/svg+xml

Com informações do Portal Alma Preta

SÃO PAULO – “A história de pessoas negras em países colonizados, quando narrada, é geralmente contada através da perspectiva dos colonizadores. Nossas vidas foram continuamente marginalizadas, apagadas e reprimidas. A população do País precisa conhecer e reconhecer que foram seus antepassados, a fim de compreender o hoje”, declara a diretora do documentário “Chico Rei Entre Nós”, Joyce Prado.

Premiado na 44ª Mostra Internacional de São Paulo, o longa explora os ecos da escravidão na vida das pessoas negras dos dias de hoje e realça o sentimento emancipador de pertencer a um coletivo. O ponto de partida do documentário é a história de Chico Rei – ou Galanga -, rei congolês trazido como escravo para trabalhar na região de Outro Preto, em Minas Gerais, em 1740, que comprou sua própria liberdade e a de outros escravos.

Para o produtor André Sobral, o filme dá voz a pessoas comuns e expõe a desigualdade social no Brasil. Segundo ele, “a grande mensagem desta história é a virada: um rei que é escravizado e retoma sua coroa. Uma história de esperança de um líder que atuou pelos seus liderados. Ao contrário do que ocorre hoje”, avalia Sobral.

Figura eternizada na tradição oral e celebrada anualmente no “Reinado”, cerimônia que acontece na cidade mineira de Outro Preto, “Chico Rei Entre Nós” partiu de uma ideia original da Abrolhos Filmes e é o primeiro longa dirigido por Joyce Prado.

Equipe e exibição

“A visão da Joyce sobre a história é o de uma pessoa negra também. Essa foi a intenção quando a convidamos. Aliás, a equipe de pesquisa e fotografia também era de mulheres pretas e talentosas”, ressalta o produtor André Sobral.

O documentário está em exibição na 2ª Mostra Taturana de Cinema: ‘Democracia e Antirracismo’, iniciada na última terça-feira, 14, e também terá uma sessão presencial no Centro Cultural São Paulo (CCSP), além de estar disponível online por 48h, na plataforma Todesplay.

“É muito recompensador saber que a história de Chico Rei será exibida de maneira acessível aos brasileiros em um evento que prestigia a produção audiovisual negra, ampliando e revelando a diversidade de narrativas que a história do Brasil e o cinema possibilitam”, avalia o produtor André Sobral, da Abrolhos Filmes.

Ele explica que, antes de convidar Joyce Prado para dirigir o documentário, a produção já havia feito um curta de um vídeo dança que contava a história de Chico Rei, bem como uma pesquisa sobre as festas do congado pelo Brasil.

“Quando Joyce foi a Ouro Preto em busca de personagens, seu interesse pela história dos negros que foram trazidos para Minas Gerais foi muito enriquecedor para o documentário. Seu orgulho pelas habilidades desses pretos de baixa estatura, figuras que foram fundamentais para a extração do ouro, é um grande destaque da obra”, finaliza.