Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
17 de novembro de 2021
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE
image/svg+xml

Priscilla Peixoto – Da Revista Cenarium

MANAUS – O programa “Cenarium Entrevista” dessa terça-feira,16, comandado pela jornalista Liliane Araújo, teve como entrevistado o secretário de Estado de Cultura e Economia Criativa do Amazonas (SEC), Marcos Apolo Muniz. Durante o oitavo episódio do bate-papo que vai ao ar a partir das 19h, no canal do YouTube da TV Cenarium, o convidado destaca alguns pontos voltados às responsabilidades do atual cargo e a relação com o universo artístico durante a trajetória de vida.

Nascido em Manaus, Marcos Apolo revela que, desde criança, mantém proximidade com diversos âmbitos artísticos. Com paixão pelo teatro, o atual secretário, que já foi ator e diretor de produção, considera que as experiências vividas nos ambientes de fomentações artísticas foram essenciais para administrar de modo mais seguro os atuais desafios da vida profissional.

“Eu acredito que essas performances foram um aprendizado, na prática. Dentre elas, assumir a gerência do Teatro Amazonas. Receber o auxílio de profissionais competentes e generosos, encarar os grandes festivais de ópera realizados ali e outros grandes eventos, me levaram a querer o aperfeiçoamento. Hoje, sou especializado em gestão e produção de eventos e, isso, sem dúvidas, me dá, atualmente, maior segurança na tomada de algumas decisões”, explica Marcos.

Flexibilização de programações e editais

Após a queda nos números de caso de Covid-19 no Estado e com a vacinação fluindo positivamente, Marcos Apolo destaca a volta gradativa dos eventos esperados pela população, como é o caso das programações natalinas que movimentam a cidade no final do ano.

Desta vez, segundo o secretário, as atividades vêm em novo formato, de modo descentralizado, para contemplar os moradores do interior. “Espero daqui a uns dias divulgar a programação que está em finalização, mas não há como não fazer uma agenda que leve a mensagem de leveza e esperança. O povo precisa”, comenta.

Assista ao programa completo na Tv Cenarium. (Lucas Azevedo/Cenarium)

Na perspectiva do secretário, 2022 será um ano positivo, de superação e sucesso na realização das grandes manifestações populares, como o Carnaval e o Festival Folclórico de Parintins. Conforme o gestor, a equipe da SEC está finalizando a implementação do Sistema Estadual de Cultura.

Além disso, há um planejamento para um edital voltado não para a capital, mas abrangendo o interior. “Temos sim um cenário positivo, mas que ainda não posso expor, embora já tenha um sinal positivo do governo do Estado”, afirma o secretário.

Desafios na pandemia

O responsável pela Secretaria de Cultura enumerou algumas iniciativas voltadas à classe artística durante a pandemia. A categoria foi uma das mais atingidas economicamente durante o caos mundial vivido na área da saúde. Para amenizar as dificuldades sofridas durante o período, foram entregues cestas básicas para, pelo menos, 12 mil trabalhadores da classe e abertos canais de atendimento psicossocial, entre outras atividades de suporte realizadas pela pasta.

“Muitos artistas e técnicos da área trabalham hoje para se alimentar no dia seguinte e se não tiver esse trabalho por longos períodos eles já passam por necessidades. Por isso, focamos nas ações psicossociais e nos editais, como a lei Aldir Blanc. Em resumo, fazemos uma balança priorizando a saúde, mas entendendo que assim como a Secretaria de Ação Social estava atuando, fazendo o papel dela, a Secretaria de Cultura também tinha um grupo grande de pessoas para auxiliar no que fosse possível”, pontua o secretário.

Festival de Ópera como turismo cultural

Durante o programa, o secretário de Cultura destacou a importância do “Festival Amazonas de Ópera” para a fomentação da economia, turismo e cultura do Estado do Amazonas. Segundo Apolo, o festival, que integra o calendário de eventos oficiais do Estado, também possibilita a formação de técnicos e a geração de emprego.

Questionado sobre os desafios de trazer grandes vozes para se apresentar no evento e sobre as adaptações para a realidade local, Marcos Apolo considera que a programação, mesmo sendo um desafio, tornou-se uma referência de sucesso.

“É interessante destacar que a ópera no Amazonas tem uma característica diferente da encontrada em outros lugares. Aqui, é mais popular. Desde o valor do ingresso até o público que você vê dentro do teatro. Quando começou, em 1997, era um desafio muito grande trazer tudo de fora. Até entender como era, foi exaustivo, mas, com o passar do tempo, aprendemos e formamos, inclusive, muitos profissionais na cidade”, comemora.

Assista a este e a outros episódios completos do “Programa Cenarium Entrevista” em nosso canal no YouTube.