EDITORIAL – ‘O céu vai desabar’, por Paula Litaiff

Os efeitos da crise climática são globais. (Composição: Weslley Santos/Midjourney)

A floresta está viva. Só vai morrer se os brancos insistirem em destruí-la. Se conseguirem, os rios vão desaparecer debaixo da terra, o chão vai se desfazer, as árvores vão murchar e as pedras vão rachar no calor. Então morreremos, um atrás do outro, tanto os brancos quanto nós. Quando não houver mais nenhum deles vivo para sustentar o céu, ele vai desabar”.

Trechos do livro “A Queda do Céu: palavra de um xamã Yanomami” (2010), que traz o relato de um dos maiores porta-vozes do povo Yanomami, David Kopenawa, mostram, com clareza, a cosmovisão indígena sobre a ação do homem sobre o clima, as florestas, os rios e o risco aos povos indígenas e não indígenas desaparecerem.

No século 19, Svante Arrhenius (1859-1927) considerou, pela primeira vez, em 1896, a capacidade humana de mudança do clima, ao afirmar que a adição de dióxido de carbono (CO2) na atmosfera aqueceria a temperatura média da Terra. A pesquisa de Arrhenius foi reforçada, décadas depois, por outros estudiosos, que apontavam para urgências climáticas. Nesta edição, a REVISTA CENARIUM traz à memória previsões ancestrais que passaram a ser consideradas pela academia científica, inclusive em pesquisas antropológicas dentro do campo de saberes e conhecimentos tradicionais, e faz um paralelo com a tragédia do Rio Grande do Sul, onde mais de 170 pessoas perderam a vida em decorrência dos efeitos da crise climática.

PUBLICIDADE

Mas não é só o Rio Grande do Sul que sofre no País com esses efeitos. Na Amazônia, o Estado do Acre registrou uma das maiores cheias no ano passado, deixando milhares de famílias desalojadas e muitas mortes foram invisibilizadas por serem de uma região fora do contexto Sul-Sudeste. O Amazonas, Pará e
Roraima também sofreram e ainda sofrem com a estiagem nos rios, que fez com que milhares de famílias ficassem sem alimentos e esse cenário não virou matéria com destaque na mídia sulista.

Os efeitos da crise climática são globais. A união de esforços também deveria ser mundial, mas o negacionismo aos saberes tradicionais dos povos originários e às pesquisas científicas nos jogam no epicentro desta aflição, que não escolhe etnia, cor de pele, classe social, mas coloca na linha de frente da morte quem protege as florestas e vive nas periferias, isolado pelo racismo ambiental.

A “queda do céu” não é mais uma previsão ancestral distante para as gerações futuras. Ela está acontecendo agora e é uma realidade para nós e nossos filhos. A pergunta é o que nós, dentro da realidade de cada indivíduo, podemos fazer para parar a tragédia climática? A resposta não está no presente, ela está e sempre esteve no passado.

O assunto foi tema de capa e especial jornalístico da nova edição da REVISTA CENARIUM AMAZÔNIA do mês de maio de 2024. Acesse aqui para ler o conteúdo completo.

(Reprodução)

LEIA TAMBÉM

EDITORIAL – ‘Parque das Tribos’: quase 1 mil famílias indígenas em abandono, por Paula Litaiff

EDITORIAL – As crianças de Belém e o ‘cata-vento’, por Paula Litaiff

PUBLICIDADE

O que você achou deste conteúdo?

Compartilhe:

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.