Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
2 de dezembro de 2021
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE
image/svg+xml

Com informações do O Globo

SÃO PAULO – Mais do que o apoio de convertidos em motociatas por diversos Estados do País, a reeleição do presidente Jair Bolsonaro passa pelo desafio de retomar a relação com os desiludidos com sua gestão no governo federal.

De acordo com a primeira pesquisa do Instituto Inteligência em Pesquisa e Consultoria (Ipec) sobre a corrida eleitoral de 2022, mais da metade (53%) dos eleitores de Bolsonaro no segundo turno da eleição de 2018 pretende trocar para outro candidato, ou apertar as teclas branco e nulo na urna eletrônica no ano que vem.

O levantamento mostra que um quarto (26%) dos eleitores de Bolsonaro na eleição passada sinaliza o voto no ex-presidente Lula, que se tornou elegível desde março, quando o ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu anular os processos contra o petista na Justiça Federal de Curitiba. Outra má notícia para o presidente é que mais de um terço (34%) dos que o elegeram dizem que não votariam nele de jeito nenhum.

O perfil daqueles que se arrependeram de votar em Bolsonaro é semelhante ao que votava em Lula nos anos 2000, segundo antecipou o colunista Lauro Jardim. São pessoas que têm até o ensino fundamental, moram no Nordeste, são residentes no interior, com renda familiar de até um salário mínimo, em municípios de até 50 mil habitantes e que se autodeclaram pretas ou pardas.

Nesse último segmento, a diferença entre Lula e Bolsonaro é mais que o dobro: 54% contra 21%. Situação similar ocorre entre os mais pobres (62% de Lula, ante 16% do presidente) e menos escolarizados: 34 pontos de frente para o petista.

O cientista político Osvaldo Amaral, da Unicamp, afirma que os desapontados com a gestão do presidente não se importam com suas bandeiras conservadoras e são fortemente influenciados pelo quadro ruim da economia e da pandemia.

“A pesquisa mostra que há um contingente de desiludidos que apostaram em Bolsonaro em razão da onda antipetista, mas que não são casados com suas pautas ideológicas. São pessoas que perderam empregos ou familiares para a Covid-19 e que têm uma memória melhor dos governos do Lula”, avalia o cientista político.

Amaral pondera que a situação pode se modificar, em caso de melhora significativa do cenário econômico e da crise sanitária.

“Há um forte componente de avaliação do dia a dia. Hoje a situação política está muito conturbada e podem surgir nomes novos. O eleitor trabalha com os nomes que conhece e com as memórias dos respectivos governos (Bolsonaro e Lula). Isso pode mudar, é claro”, afirmou.

Os recortes do levantamento do Ipec mostram a perda de apoio de Bolsonaro em segmentos em que ele superou o petista Fernando Haddad em 2018. Isso ocorre até em núcleos fiéis como entre homens brancos, com renda maior do que cinco salários mínimos, nível superior e evangélicos.

De acordo com o Ipec, Lula lidera em todas essas faixas. No quesito religião, ele está à frente entre católicos, com 52% da preferência, contra 20% do presidente. A diferença diminui entre evangélicos: 41%, contra 32% de Bolsonaro. O grupo religioso é base de sustentação de Bolsonaro e de suas pautas conservadoras.

O petista também está à frente em regiões onde o presidente concentra maiores níveis de aprovação, como o Sul. Lá, o petista tem 35% das intenções de voto, contra 29% do presidente.

Os dados do Ipec foram divulgados na sexta-feira e apontam que o ex-presidente Lula lidera a disputa ao Planalto do ano que vem, com 49% das intenções de voto, contra 23% de Bolsonaro. O petista venceria o pleito em primeiro turno, caso as eleições fossem hoje.

O levantamento ouviu 2.002 pessoas em 141 municípios entre os dias 17 e 21 de junho. A margem de erro da pesquisa é de dois pontos para mais ou para menos, e o nível de confiança é de 95%.