Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
23 de janeiro de 2022
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE

Bruno Pacheco – Da Revista Cenarium

MANAUS – O número de desaparecidos no Amazonas aumentou em 29,2% no primeiro bimestre de 2020, em relação ao mesmo período de 2019. Os dados foram repassados à REVISTA CENARIUM pela Secretaria de Segurança Pública (SSP-AM).

A média de desaparecimentos de janeiro a dezembro de 2019 foi de 82,41 casos por mês, com total de 989 durante o ano. Somente nos dois primeiros meses de 2020, o Sistema Integrado de Segurança Pública contabilizou média de 106,5 casos de desaparecimentos, totalizando 213 de janeiro a fevereiro.

Por meio de nota, a SSP-AM salienta que os Departamentos Interativos de Polícia (DIPs) fazem o Boletim de Ocorrência com a notificação, por amigos e/ou familiares, do desaparecimento das pessoas.

“Esses registros, no entanto, não significam que o cidadão de fato esteja desaparecido. Há casos em que a pessoa viaja sem informar e situações de fuga do lar, envolvendo briga com parentes ou amigos, entre outras situações”, diz.

Outro aspecto que deve ser considerado, segundo a secretaria, é que, culturalmente, as famílias e/ou amigos não informam às autoridades policiais quando o ente querido é encontrado ou retornou para casa.

“Há casos em que pessoas com problemas emocionais ou psiquiátricos são registradas como desaparecidas, mas em menos de 24 horas são localizadas pela família, sem que isso venha a ser comunicado à polícia”, informa.

A SSP-AM diz, ainda, que a dinâmica desse tipo de ocorrência é complexa, e a estatística apresentada não necessariamente reflete um quadro real de pessoas desaparecidas.

Casos

Entre os casos registrados este ano está o de Alexandre Silva dos Santos, 19, desaparecido desde a manhã do dia 5 de janeiro deste ano.

Quem puder colaborar com informações sobre o caso, entrar em contato com os servidores da Deops pelo número (92) 3214-2268. (divulgação)

De acordo com a mãe dele, Lea Santos, no dia em que desapareceu, por volta das 8h, Alexandre saiu da casa onde eles moram, situada na rua Cisne Negro, na segunda etapa do conjunto Hiléia, bairro Redenção, zona centro-oeste da capital.

Na ocasião, conforme a noticiante, o indivíduo informou que iria receber uma quantia em dinheiro, relacionada a verbas trabalhistas, em um shopping localizado na avenida Rodrigo Otávio, bairro Distrito Industrial, na zona sul de Manaus. Desde então, os familiares não tiveram mais notícias sobre ele.

Outro caso registrado foi o de Waldney Augustinho Rodrigues, 39, desaparecido desde a manhã do dia 5 de janeiro deste ano.

De acordo com a mãe dele, Iracema Rodrigues, Waldney saiu da residência do pai dele, situada no bairro São Francisco, zona sul da capital, e tinha como destino a casa da mãe, mas não chegou ao local.

Segundo familiares, Waldney não possui celular, e é usuário de entorpecentes. (divulgação)