Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
19 de outubro de 2021
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE
image/svg+xml

Bruno Pacheco – Da Revista Cenarium

MANAUS – Entidades e organizações indígenas repudiaram, nessa terça-feira, 30, a carta de um grupo de “Agricultores e Produtores Indígenas” contra a coordenadora-executiva da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib), Sonia Guajajara. Para as organizações, o grupo proferiu ataques e inverdades contra a indígena.

A carta foi publicada na última segunda-feira, 29, no site da Fundação Nacional do Índio (Funai), defendendo a liberdade e autonomia de comunidades produtoras. O documento é assinado por três porta-vozes do grupo, os líderes indígenas Felisberto Cupudunepá, do povo Umutina, Edson de Oliveira Santos, do povo Bakairi, e Paulo Pontes Lucio, do povo Fulni-ô.

Em nota conjunta, o Conselho do Povo Terena e Aty Guasu Kaiowá Guarani afirma que, “sob o pretexto de buscar o progresso para as comunidades indígenas, os porta-vozes se alinham à dimensão mais sórdida do conservadorismo e autoritarismo no País, atacando a Apib, considerada a mais importante organização indígena do Brasil.

“Se no passado, os mesmos se contentaram com ‘espelhos e badulaques’, hoje são capazes de negociar a própria mãe, sua terra. Manifestamos nosso apoio irrestrito à coordenadora Sonia Guajajara e saudamos sua luta. Pois, enquanto liderança, abraçou o Brasil indígena e tem dedicado a sua vida em defesa daqueles que mais precisam. Nós, Terena, Guarani e Kaiowá, somos mais de 70 mil indígenas e reafirmamos nosso compromisso de seguir junto com a Apib na luta pelos nossos direitos”, diz a nota.

Liberdade e autonomia

A carta dos porta-vozes foi publicada na segunda-feira, 29, no site da Fundação Nacional do Índio (Funai), destinada a instituições europeias. No texto, o grupo ataca a coordenadora da Apib, afirmando que a indígena fala por si só e não tem apoio nem do próprio povo, os Guajajara, habitantes do Estado do Maranhão. “Infelizmente, pessoas como essa indígena, com clara posição contrária ao atual governo legalmente constituído, inclusive com nossos votos, insistem em querer falar em nossos nomes”, declara os agricultores.

“O fato é que essa gente quer fazer a opinião pública nacional e internacional acreditar que no Brasil todos os Povos Indígenas são iguais e que vivem nas florestas cantando e dançando; pintados e nus; caçando e pescando para sobreviver, felizes e alheios ao mundo exterior. Querem que todos acreditem que precisamos de alguém para nos salvar do suposto governo malvado”, acrescentam. 

Perseguição

A Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (Coiab), também por meio de nota, manifestou apoio irrestrito à Apib. Para o órgão, a articulação e seus coordenadores-executivos vêm sofrendo ataques, tentativas de criminalização, perseguição e ameaças por defender os direitos dos povos indígenas, sobretudo, direcionados a Sonia Guajajara.

“Junto aos aliados e as parcerias no Brasil e no exterior, a Apib e suas lideranças têm tido um papel fundamental no sentido de mobilizar e unificar a luta e as demandas dos parentes de todo o território nacional. Nossa Articulação vem sendo construída a muitas mãos, que envolve lideranças diversas, entre mais velhos, jovens, mulheres, professores, espalhadas por todo o Brasil, num trabalho duradouro que vem ocorrendo por décadas”, pontuou a Coiab, em nota.

No texto, a coordenação salienta que as agressões desferidas contra o movimento indígena e a Apib, como, por exemplo, a carta do grupo de agricultores, ignora deliberadamente que todas as atitudes tomadas pelo movimento indígena pelo pleno exercício direitos.

“Nesse sentido, pedimos maior atenção da sociedade brasileira, dos nossos apoiadores, dos nossos aliados e de todos que somam à causa indígena neste País para que fiquem atentos e não se deixem levar por qualquer manifestação realizada por indivíduos oportunistas que atacam o movimento indígena legítimo. Desta maneira, nós da Coiab, com toda sua rede composta por povos, lideranças e organizações indígenas dos nove Estados da Amazônia brasileira, manifestamos e nos juntamos com as demais organizações de base da Apib nesse momento de reafirmar nosso apoio a nossa instância maior, que é a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib)”, concluiu a manifestação da Coiab.

Veja, na íntegra, a nota conjunta: Nota conjunta do Conselho do Povo Terena e Aty Guasu Kaiowá Guarani em apoio a Sonia Guajajara

Veja, na íntegra, a nota da Coiab: Nota de apoio à Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB)