Em gesto de deboche, garçons fazem ‘a dança do meme do caixão’ em restaurante

Mencius Melo – da Revista Cenarium

Cada vez mais, a pandemia do novo Coronavírus vem ganhando contornos dramáticos e surreais no Brasil. Em matéria publicada na Revista Fórum, nesta segunda-feira, 11, garçons do Restaurante Divino, em Gramado, no Rio Grande do Sul, resolveram “fazer um número” para entreter os clientes. Perfilados e ao som de uma música eletrônica conhecida por ser a trilha sonora do meme mais divulgado do momento, nas redes sociais, eles dançaram com garrafas de espumantes, simulando um caixão sobre os ombros.

A cena choca por expor a insensibilidade, diante dos mais de 11 mil mortos no Brasil, vítimas da Covid -19. O vídeo está circulando nas redes sociais e é mais um, a entrar na galeria de horrores, das peças produzidas para ‘negar’ a periculosidade do novo Coronavírus.

Pegou mal

Com a repercussão negativa do vídeo, a direção da Casa pediu desculpas, alegando que a peça de extremo mau gosto foi produzida na ausência do gerente do restaurante. “Viemos pedir desculpas aos nossos clientes e a toda sociedade por esta falha, e dizer que estamos tomando todas as providências para que episódios dessa natureza não venham a ocorrer novamente no Divino”, diz a nota de esclarecimento assinada por Valdemir Ecker, diretor do restaurante.

O meme de humor negro

Simulando a coreografia de 2017 do grupo Ghana’s Dancing Pallbearers, os dançarinos de Gana, país africano, cuja cultura de fazer enterros regados a digamos, com alegria, é aparentemente natural, o folclórico vídeo dos ganenses chegou às redes sociais fazendo enorme sucesso. Parte do sucesso se deve, infelizmente, ao humor negro relativo à onda de milhares de vítimas do novo Coronavírus. Ao que parece, os garçons de gramado resolveram ‘alegrar’ o ambiente, na hora e momento errado…   

Veja o vídeo:

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

VOLTAR PARA O TOPO