Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
6 de dezembro de 2021
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE
image/svg+xml

Da Revista Cenarium*

MANAUS — Com a temática da violência, abandono e intolerância religiosa que negros e indígenas sofrem cotidianamente na sociedade, o espetáculo de dança “Agô” retorna a temporada de apresentações, em Manaus. O evento é gratuito e contará com duas sessões, nos dias 3 e 4 de setembro, a partir das 19h30, no Teatro da Instalação, na Rua Frei José dos Inocentes, no Centro de Manaus.

As duas apresentações fazem parte da temporada que iniciou em março deste ano, mas que foi interrompida pela pandemia da Covid-19 que causou a necessidade de fechamento dos estabelecimentos comerciais, teatros e outros. O espetáculo tem assinatura da produtora artística Menina Miúda.

Para Cairo Vasconcelos, diretor do espetáculo, um dos maiores desafios para a montagem é mesclar as culturas indígena e afro, desde as músicas até a questão da religiosidade.

“Queremos falar sobre temas sérios e necessários de forma artística, instigando a reflexão, as críticas e também incentivando o espectador a olhar as questões cotidianas por outro ângulo”, enfatizou o diretor.

Violência, abandono e intolerância religiosa em negros e indígenas são abordados no evento (Divulgação)

De acordo com ele, o espetáculo mostra que para solucionar as questões colocadas em xeque para a produção artística e para a sociedade, é imprescindível que se invista na educação das crianças e jovens, para que eles sejam como um “feixe de luz e esperança” para uma sociedade com menos desigualdade e mais justiça para todos.

As coreografias foram pensadas para que o público se sinta instigado e queira participar, subir no palco e dançar junto com os bailarinos. “A energia da equipe é de fé em tempos melhores, com muita força de vontade e dedicação para que esse trabalho faça parte do processo de conscientização de todos e todas a respeito dos diversos preconceitos vividos por negros e índios”, explicou Vasconcelos.

Cautela, ansiedade e alegria fazem parte do cotidiano do grupo artístico que volta aos palcos depois de quatro meses afastado da cena cultural. Mas todos ressaltam a importância da proteção do púbico na hora de prestigiar o espetáculo. Todos os protocolos de saúde serão seguidos à risca pela produção do evento para que, quem for prestigiar o espetáculo, possa se sentir seguro.

“A proteção vale não só para os espectadores, mas também para os técnicos, elenco, direção e produção”, finalizou o diretor do espetáculo.

O espetáculo conta com o apoio da Secretaria de Cultura do Estado do Amazonas e também com o apoio da Universidade do Estado do Amazonas (UEA).

(*) Com informações da assessoria