Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
24 de outubro de 2021
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE
image/svg+xml
Bruno Pacheco – Da Revista Cenarium

MANAUS – No dia em que o Brasil completou a triste marca de 500 mil mortes pela Covid-19, ativistas de movimentos sociais foram às ruas na tarde deste sábado, 19, em Manaus, protestar contra o presidente Bolsonaro, cortes na educação e pedindo a vacinação em massa para toda população. O ato também ocorre em todos os Estados brasileiros.

“A gente permanece sem vacina, sem educação, sem auxílio emergencial digno e hoje atingimos 500 mil mortes pela Covid-19. Viemos para mostrar que não estamos para brincadeira e que em terra de Boi Caprichoso e Boi Garantido, gado não se cria”, destacou a jovem Hellen Saldanha, da União Brasileira de Estudantes Secundaristas (Unes).

Os manifestantes se reuniram na Praça da Saudade, no Centro da capital. Com gritos de “fora Bolsonaro”, por volta das 16h, os participantes do ato começaram a percorrer no entorno da região, em direção ao Largo de São Sebastião, no Teatro Amazonas. Um carro de som acompanhou o movimento.

(Caroline Viegas/Revista Cenarium)

Um dos organizadores do protesto, o estudante João Victor, presidente da União Estadual dos Estudantes do Amazonas, lamentou que o País continue com um número alto de mortes pelo novo coronavírus e reforçou que, mais uma vez, é necessário a realização do movimento.

“O movimento é uma mobilização nacional em defesa da vida, da saúde e da educação e mais uma vez se faz necessário estarmos nas ruas. A gente pede o impeachment do presidente da República. A nossa manifestação é reflexo da irresponsabilidade do presidente da República que não teve cuidado com a vida do povo brasileiro, que está à mercê de um auxílio emergencial de 150 reais, um valor insuficiente para pagar até uma cesta básica”, desabafou João Victor.