Em período difícil, Facebook, Amazon, Uber e outras empresas americanas de tecnologia reduzem contratações

Com informações Folha de São Paulo

PARIS | AFP – Várias empresas americanas de tecnologia, como Facebook, Uber, Amazon e Twitter, estão desacelerando suas contratações porque o setor, que teve bons resultados na pandemia, passa por um período difícil.

À margem da publicação dos resultados trimestrais dos grupos cotados em Wall Street, foram feitos vários anúncios. Durante um telefonema com analistas, no final de abril, David Wehner, diretor financeiro da Meta, controladora do Facebook, referiu-se a um “ajuste” nas metas de contratação.

“Reavaliamos, periodicamente, nosso banco de talentos com base em nossas necessidades de negócios”, disse um porta-voz da Meta à AFP.

“Estamos freando o crescimento [das contratações] em função de nossas previsões de custos, comunicadas em nossos últimos resultados”, acrescentou, especificando que o objetivo, a longo prazo, ainda é aumentar a força de trabalho do grupo, que empregava 77.805 pessoas, no final de março, 28% a mais do que há um ano.

Logo do Facebook e do Twitter (Denis Charlet – 21.out.2020/AFP)

Outra gigante da tecnologia e a segunda maior empregadora dos Estados Unidos, atrás do Walmart, a Amazon, sugeriu que não iria contratar mais pessoal de imediato. A empresa tinha 1,6 milhão de funcionários no final de 2021, mais que o dobro do que em 2019.

“Quando a variante [Ômicron] declinou, na segunda metade do primeiro trimestre, e os funcionários voltaram das férias, passamos, rapidamente, de falta de pessoal a excesso de pessoal”, disse o CFO do grupo, Brian Olsavsky.

Em meio aos anúncios de Elon Musk sobre uma possível compra do Twitter, a rede social decidiu suspender as contratações não essenciais. Quanto ao CEO da Uber, Dara Khosrowshahi, ele escreveu em um e-mail, para os funcionários da empresa, publicado pela CNBC, que as novas contratações devem ser “tratadas como um privilégio”.

INFLAÇÃO

As razões para esses congelamentos de empregos variam de empresa para empresa. O Facebook, por exemplo, aponta o impacto, em sua receita publicitária, das novas regras da Apple sobre compartilhamento de dados.

Enquanto isso, o Twitter está ‘atolado’ em uma onda de incertezas após a decisão de Musk de comprar a empresa, e o Uber sofre pesadas perdas com seus investimentos em várias startups com saúde financeira instável. Mas, também há fatores comuns, como o fim da economia de confinamento e a suspensão progressiva das restrições sanitárias.

“Muitas empresas de tecnologia responderam à crescente demanda por serviços digitais contratando e expandindo seus negócios nos últimos dois anos”, disse Terry Kramer, professor adjunto na escola de administração da Universidade da Califórnia, em Los Angeles, citando o caso emblemático da plataforma de videoconferência Zoom.

“Muito do que estamos vendo, agora, é uma fase de maturidade tecnológica em que essas empresas não podem e não precisam continuar crescendo na mesma taxa”, continua Kramer.

Outro fator que pesa sobre o setor é a inflação contínua e elevada. O aumento dos preços pressiona o banco central dos EUA (Fed) a aumentar as taxas de juros, dificultando a capacidade de empréstimos das companhias, situação, especialmente, desfavorável para as empresas de tecnologia.

“Muitas que optaram por uma estratégia de crescimento, sem esperar lucros, a curto prazo, pensaram que poderiam continuar ganhando dinheiro no mercado de ações ou por meio de investidores privados”, explica o especialista em previsões econômicas Daniil Manaenkov, da Universidade de Michigan.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

VOLTAR PARA O TOPO