Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
23 de janeiro de 2022
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE
Vanessa Taveira – Da Revista Cenarium

MANAUS – Crianças e adultos com deficiências buscam qualidade de vida por meio da equoterapia, um método terapêutico que utiliza o cavalo dentro de uma abordagem interdisciplinar nas áreas de saúde, educação e equitação, buscando o desenvolvimento biopsicossocial de pessoas com necessidades especiais.

O projeto é de exclusividade da Polícia Militar do Amazonas que mesmo sem parceria, vem sendo realizado desde 1992, chegando a beneficiar mais de 700 pessoas até o momento. Qualquer pessoa, desde a infância até a fase adulta, pode buscar os benefícios oferecidos pela equoterapia. Atualmente o projeto possui 60 praticantes que contam com o acompanhamento de psicólogos, fisioterapeutas, educadores físicos e o policial militar equitador.

Autistas, pessoas com síndrome de Down, que sofreram Acidente Vascular Cerebral (AVC) e paralisia cerebral, são parte dos que podem procurar o serviço de equoterapia. O comandante da Cavalaria da PM-AM, major Muniz, afirma que a atividade sobre o cavalo é rica em benefícios.

“O passo do cavalo, ou seja, a marcha do cavalo, é tridimensional, são três tempos, muito semelhante ao do ser humano, sendo assim, quando a pessoa recebe os estímulos do animal, vai direto para a coluna. O andar do cavalo passa a ser as pernas do praticante. A partir desse momento, as evoluções começam a surgir”, afirma Muniz em entrevista à REVISTA CENARIUM.

Como funciona

Nos exercícios de equoterapia, é possível perceber o desenvolvimento, a postura e a melhora nos sentidos de cada paciente. A sessão com os cavalos dura cerca de 30 a 50 minutos e os resultados são fantásticos. Aos poucos, as limitações deixam de ser impedimento e dão lugar a um novo estilo de vida.

Emanuelle Feitoza, fisioterapeuta, diz que é emocionante e gratificante ver a evolução de cada praticante. “Para cada paciente são utilizadas técnicas específicas, de acordo com a limitação de cada um. São quatro fases trabalhadas com muito amor e dedicação, e que em dois anos os resultados são claramente percebidos”, diz a profissional.

Superação

João Vinícius, de 7 anos, é um dos praticantes que recebem os benefícios da equoterapia há dois anos. Ele é autista e a avó, dona Salete Bastos, com muita alegria e satisfação, o leva em todas as sessões. “João era uma criança muito tímida e morria de medo de animais. Com a equoterapia ele passou a ter organização, segurança em seu comportamento e hoje diz que o seu melhor amigo é o cavalo”, relata Salete com entusiasmo.

O cavalo transmite uma sensação de força e poder, até mesmo reporta o praticante a lembranças inconscientes de embalo e proteção. Dependendo da doença e do grau de comprometimento de cada praticante, o equilíbrio e a conquista da autoestima são alguns dos benefícios que todos adquirem com as atividades em cima do cavalo.