Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
23 de abril de 2021

Dólar

Euro

Manaus
23oC  29oC
Acompanhe nossas redes sociais

Com informações da Folhapress

SÃO PAULO – A última estátua do ditador espanhol Francisco Franco (1892-1975) foi removida nessa terça-feira, 23, dos portões da cidade de Melilla, cidade autônoma que pertence à Espanha e está localizada na costa noroeste da África.

Sem muito alarde, um grupo de trabalhadores operou uma escavadeira mecânica e brocas pesadas para remover pedaços da plataforma de tijolos sobre a qual estava a estátua de bronze.

Depois, o monumento foi erguido por uma corrente presa em volta do que seria o pescoço de Franco e carregado envolto em plástico-bolha por uma caminhonete. Segundo autoridades de Melilla, a estátua foi levada para um armazém municipal, mas o uso que será feito dela não foi especificado.

Erguido em 1978, três anos após a morte do ditador, o monumento celebrava o papel de Franco como comandante da Legião Espanhola na Guerra do Rif, um conflito na década de 1920 em que Espanha e França lutaram contra tribos berberes no Marrocos.

Dia histórico

“Este é um dia histórico para Melilla”, disse Elena Fernandez Trevino, responsável pela educação e cultura na cidade, na segunda-feira, 22, depois que a assembleia local votou pela remoção do monumento, apontando que era “a única estátua dedicada a um ditador ainda na esfera pública na Europa”.

Apenas o Vox, partido da ultradireita espanhola, votou contra a medida. Seus representantes argumentaram que a estátua celebra o papel militar de Franco, não sua ditadura.

Segundo o Vox, portanto, a Lei da Memória Histórica, que determina a remoção de todos os símbolos ligados ao regime de Franco, não se aplicaria a este caso. O Partido Popular, conservador, absteve-se de votar.

Remover monumentos

A lei foi aprovada em 2007, durante o governo liderado pelo socialista José Luis Rodríguez Zapatero. Além de remover monumentos da ditadura no espaço público, a legislação também prevê a renomeação de várias ruas dedicadas a figuras do franquismo.

O atual primeiro-ministro da Espanha, o socialista Pedro Sánchez, fez da reparação e da reabilitação das vítimas do regime de Franco algumas de suas prioridades desde que assumiu o governo, em 2018.

Depois de uma longa disputa com os descendentes do ditador, o Executivo espanhol retirou os restos mortais de Franco de um enorme mausoléu nos arredores de Madri, onde ele havia sido sepultado, e os transportou, em outubro de 2019, para um discreto nicho familiar em um cemitério da capital.

O processo teve muito simbolismo porque o monumento se tornou um lugar de exaltação do franquismo –e nenhum outro país da Europa Ocidental tem espaços semelhantes dedicados a homenagear ditadores.

Tributo a um ditador

“A Espanha moderna é produto do perdão, mas não pode ser produto do esquecimento”, disse Sánchez, à época. “Um tributo público a um ditador era mais do que um anacronismo. Era uma afronta a nossa democracia.”

Em setembro de 2020, a Justiça espanhola ordenou a seis netos de Franco que devolvessem ao Estado um palácio em Sada, na Galícia, no noroeste do país, do qual a família desfrutava havia décadas.

O palácio havia sido doado por sua proprietária e adquirido por um órgão franquista em 1938, em plena Guerra Civil espanhola (1936-1939). Após o conflito, o ditador comandou o país até sua morte, em 1975.

Na sentença, o tribunal declarou a nulidade da doação de 1938, uma vez que a propriedade foi doada “ao chefe de Estado, não a Francisco Franco a título pessoal”.

Apoio nazista

Nascido em Ferrol, na Galícia, Franco foi um ditador que defendia ideias nacionalistas e fascistas. Como general, fez parte de um movimento de militares e conservadores que tentou dar um golpe contra um governo de esquerda, em 1936.

O golpe falhou, mas deu início a uma guerra civil. Franco comandou uma ofensiva militar para dominar o país e teve apoio da Alemanha nazista e da Itália de Mussolini. Do outro lado, os republicanos receberam ajuda da União Soviética e de defensores do comunismo. O conflito deixou centenas de milhares de mortes ao longo de três anos, em lutas armadas e execuções sumárias.

Quando assumiu, Franco implantou um regime que concentrava o poder em suas mãos de forma absoluta. Houve perseguição a opositores, censura e culto a sua imagem, além da defesa do catolicismo e de manutenção dos costumes. Após sua morte, a Espanha deu início a uma transição para retornar à democracia.